EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Programa Nuclear Irão: Negociações bloqueadas pelas sanções

Programa Nuclear Irão: Negociações bloqueadas pelas sanções
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Numa verdadeira corrida contra o tempo e com muitos obstáculos os líderes mundiais tentam chegar a acordo sobre o programa nuclear iraniano. O prazo

PUBLICIDADE

Numa verdadeira corrida contra o tempo e com muitos obstáculos os líderes mundiais tentam chegar a acordo sobre o programa nuclear iraniano. O prazo termina esta terça-feira à meia noite.
Em Lausanne, na Suíça, os responsáveis dos do grupo 5+1 e do Irão negoceiam os princípios gerais documento. O objetivo é desacelerar o desenvolvimento do programa nuclear do Irão e permitir a inspeções às instalações nucleares no país.

Os pontos de maior discórdia continuam a ser a duração das medidas que vão ser implementadas, em que enquadramento legal e o mais problemático tem sido o ponto das sanções.
O Irão quer que as sanções sejam levantadas logo que o programa nuclear for desacelerado. A proposta norte-americana vai no sentido de um levantamento gradual.
Entretanto, Benjamin Netanyahu criticou o “perigoso acordo” que pode estar a ser delineado.
O ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov, deixou a reunião esta segunda-feira mas deve regressar na terça-feira caso se registem avanços.

A enviada da euronews à Suiça, Reihaneh Mazaheri, explica que “no sexto dia das negociações, o Irão e os ministros dos negócios estrangeiros do grupo 5+1 continuam reunidos na presença também da chefe da diplomacia da União Europeia. Este pode ser um dos dias mais difíceis na negociação desde novembro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Co-presidente dos Conservadores e Reformistas Europeus não descarta apoio ao PPE após eleições

Debate Europeias: eleitores que votam pela primeira vez colocaram questões aos candidatos

"A próxima Comissão será de centro-direita", diz copresidente do CRE