EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Quénia: Prossegue tomada de reféns na que já fez 18 mortos na universidade de Garissa

Quénia: Prossegue tomada de reféns na que já fez 18 mortos na universidade de Garissa
Direitos de autor 
De  Dulce Dias com Lusa, Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

As autoridades não sabem onde estão 535 dos 815 estudantes do estabelecimento

PUBLICIDADE

Continua a tomada de reféns, na universidade de Garissa, no Quénia, e as operações para os libertar.

As autoridades dizem que 3 dos 4 edifícios do campus universitários foram evacuados e que os terroristas se refugiaram no outro. Segundo o ministério do Interior, desconhece-se o paradeiro de 535 dos 815 estudantes da universidade.

O ataque, reivindicado pelo grupo terrorista somali Al-Shebaab, já fez, pelo menos, 18 mortos e mais de 60 feridos. Segundo um porta-voz do grupo, “os muçulmanos foram libertados” e “os reféns são cristãos”.

O jornalista Bashir Ismail, freelance em Garissa, avança pistas para explicar este ataque: “Porquê Garissa? Em primeiro lugar, porque Garissa fica perto da fronteira com a Somália e porque Garissa também é vista como a capital do povo somali no Quénia. Em segundo, na quinta-feira da semana passada, as forças de segurança quenianas mataram três homens que, suspeita-se, pertenciam ao Al-Shebaab. Por isso, penso que os acontecimentos desta quinta-feira são as medidas tomadas pelo Al-Shebaab contra o Quénia. O Quénia vai pagar um preço elevado pelos três homens que foram mortos na passada quinta-feira.”

O movimento Al-Shebaab tinha também prometido vingar a intervenção queniana na Somália e já cometeu vários atentados em Garissa, assim como em Nairobi. Reivindicou, entre outros, a tomada de reféns num centro comercial da capital, em 2013, que fez 67 mortos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Boko Haram: radicalismo levado ao extremo

Hamas deve responder à proposta de Israel nas próximas 48 horas

Familiares de reféns bloqueiam autoestrada em Israel