A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Redes sociais bloqueadas na Turquia

Redes sociais bloqueadas na Turquia
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O Facebook, o Twitter e o YouTube foram suspensos na Turquia. As autoridades tomaram a decisão para impedir a divulgação nas redes sociais de uma foto do procurador Mehmet Selim Kiraz com uma arma da cabeça, durante o sequestro de 31 de março e na sequência do qual acabou por morrer. O ministério público turco considerou esta imagem como propaganda terrorista. O Facebook foi desbloqueado ao fim de poucas horas depois da empresa ter eliminado dos seus conteúdos a fotografia. Mehmet Selim Kiraz foi raptado durante seis horas por dois elementos da extrema-esquerda turca que acabaram por ser abatidos pela polícia. O procurador ainda foi resgatado mas não resistiu aos ferimentos.