Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Rato: antigo patrão do FMI suspeito de branqueamento de capitais

Rato: antigo patrão do FMI suspeito de branqueamento de capitais
Tamanho do texto Aa Aa

O fisco espanhol está a investigar Rodrigo Rato, antigo diretor-geral do FMI por suspeita de branqueamento de capitais em paraísos fiscais.

Os factos remontam a 2012, ano em que o também ex-presidente do Bankia recorreu a uma amnistia fiscal para regularizar o património, à semelhança de muitos outros contribuintes. De acordo com a imprensa espanhola, os casos suspeitos – mais de 700 – foram enviados para a SEPBLAC, Comissão de prevenção do branqueamento de capitais.

Os investigadores estarão agora a tentar confirmar se existem indícios de delito.

O ministro da Economia do governo de Aznar já desmentiu ter sociedades em paraísos fiscais.

Luis de Guindos, atual ministro da Economia e Finanças não comenta o caso. Diz, apenas, que “as instituições do Estado vão cumprir as obrigações legais.”

O homem que assumiu a liderança do FMI entre 2004 e 2007 disse que ainda não foi notificado pela Comissão de prevenção do branqueamento de capitais.

Rato está a ser alvo de uma outra investigação ligada ao Bankia.