EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Novo líder cipriota turco intensifica esforços para reunificação

Novo líder cipriota turco intensifica esforços para reunificação
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O norte do Chipre guardou as distâncias em relação à Turquia e escolheu votar no diálogo. Esta é a mensagem transmitida pela eleição do presidente do

PUBLICIDADE

O norte do Chipre guardou as distâncias em relação à Turquia e escolheu votar no diálogo. Esta é a mensagem transmitida pela eleição do presidente do social-democrata Mustafah Akinci. O novo líder da autoproclamada república, em 1983, é conhecido como um moderado.

Venceu com a promessa de uma aproximação rápida ao Sul, depois de 40 anos de divisão da ilha. O símbolo desta separação é a zona tampão de 346 m2 administrados pelas Nações Unidas, mas, na verdade, uma zona votada ao abandono.

O Chipre era independente do Reino Unido desde 1960. As duas comunidades principais, a turca e a grega, sempre viveram juntas, mas depois da independência, os nacionalistas gregos tentaram anexar Chipre ao continente.

Em 1974, os oficiais gregos, sob o comando da junta dos coronéis, tentaram fazer um golpe de Estado contra Chipre. A Turquia mobilizou o exército para, alegadamente, proteger a minoria turca. A operação Átila durou dois dias e bastou para dar a Ankara o poder sobre 38% do território. Em Atenas, a ditadura dos coronéis caiu, mas a Turquia recusou a retirada e impôes a partilha do país.

A divisão persiste em 2015, com o norte reconhecido apenas pela Turquia, que alimenta a administração com 900 milhões de euros por ano, um terço do produto interno bruto.

Oficialmente, para a comunidade internacional, esse “Estado fantasma” a 65 km da costa turca, não existe. Mas, na realidade, está tudo sob controlo de Ancara, que não só é o coração económico do norte, mas também a sua única referência política. Investe e explora as riquezas naturais da ilha….

A eleição de Akinci reflete, não apenas o desejo de mudar a liderança política, mas também o desejo de se libertar da interferência do governo turco na gestão das negociações com os cipriotas gregos.

Os cipriotas turcos pretendem, agora que o exército de Erdogan retire e que os representantes do norte e do sul possam discutir livremente as possibilidades de uma reconciliação.

O presidente cipriota grego está pronto para retomar as negociações, interrompidas a 8 de outubro por causa da interferência da Turquia na Zona Económica Exclusiva de Chipre, onde está em curso a exploração de hidrocarbonetos.

A recente descoberta de grandes jazidas submarinas de gás ao largo da costa sul de Chipre pode, por si só, ser um incentivo para os cipriotas turcos regressarem à mesa de negociações.

Bora Bayraktar, euronews – Parabéns pela vitória, presidente. Foi eleito pelos cipriotas turcos mas toda a gente questiona o que vai mudar. Há parâmetros bem estabelecidos sobre a questão cipriota. vai desviar-se das diretrizes?

Akinci Mustafah – Prometi implementar uma política com base na procura de soluções e no reforço da confiança. isto, em relação a Chipre. Mas há ainda os problemas internos, nas relações com a Turquia. Eu represento uma abordagem diferente nos assuntos internos, nas relações com a Turquia. Vou ser um presidente atento aos problemas do povo, e não aos assuntos dos partidos políticos. Vou exercer um mandato presidencial independente e imparcial, equidistante de todos, mas pronto para o diálogo.

euronews – As reações à sua eleição foram muita positivas no lado grego. Que mensagem tem para os cipriotas gregos?

Akinci Mustafa – Quando fui eleito presidente da Câmara de Nicósia, depois da intervenção militar de 1974, iniciei o primeiro projeto que envolveu as duas comunidades da ilha. O coração da cidade velha passou a ter água corrente, graças a este projeto, que marcou o início do plano de desenvolvimento da cidade. Os cipriotas gregos sabem que eu sou uma pessoa que dá valor à cooperação para o benefício de ambas as comunidades. Claro que vou defender os direitos de meu povo. Mas ele também sabem que estou a agir para o bem de ambos os povos.

A questão de Chipre prolonga-se há meio século. A minha esperança é que, como o líder cipriota grego, com a mesma visão das coisas, possamos conseguir uma ilha que partilha os benefícios, não o sofrimento, para as gerações futuras. Desejo-o, sinceramente, pelas gerações futuras. Esta ilha tem 9000 km2. As duas comunidades devem partilhar esta terra de um modo justo e quitável.

euronews – E quanto às preociupações que vieram a lume na Rurquia, durante a campanha eleitoral?

Akinci Mustafa – Na verdade, até agora, não notei preocupações semelhantes na Turquia. . As autoridades turcas fizeram o que tinham a fazer: não interferiram oficialmente nas eleições, o que é raro na nossa história.
O falecido presidente Denktaş dizia que ‘nenhum candidato pode ganhar eleições contra a vontade da Turquia’, e ele estava certo naquele momento. Mas agora os tempos mudaram. Mas agora os tempos mudaram e, na Turquia e em todo o mundo, temos de aceitar o facto de que se é eleito pelo povo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Presidente do Chipre quer que corredor naval humanitário de Gaza "seja um modelo"

Altos funcionários de mais de 30 países reunidos em Chipre para discutir ajuda humanitária a Gaza

Violência e vandalismo contra imigrantes no Chipre