Última hora
This content is not available in your region

Receitas do governo inflamam setor da saúde na Húngria

Receitas do governo inflamam setor da saúde na Húngria
Tamanho do texto Aa Aa

A revolta dos trabalhadores dos serviços de saúde na Húngria revela um novo sintoma da impopularidade do governo do primeiro-ministro Viktor Órban.

Milhares de pessoas, a maioria enfermeiras, manifestaram-se ontem em Budapeste para exigir aumentos salariais e melhores perspetivas de carreira no setor.

Os funcionários queixam-se de salários baixos, quase congelados há mais de uma década entre os 300 e 500 euros mensais, distantes do crescimento da economia do país, que registou uma subida de 3,6% no ano passado.

Uma situação que leva centenas de enfermeiras e médicos a emigrar anualmente quando 1 em cada 10 húngaros pretende trabalhar fora do país, segundo uma sondagem recente.

O governo prometeu aumentar os salários no setor já desde o próximo ano.

Um anúncio que não impediu o protesto de terça-feira quando a revolta contra a política económica do partido governamental Fidesz continua a alimentar a subida da popularidade dos nacionalistas radicais do partido Jobbik.