Última hora
This content is not available in your region

Radar... as histórias que não fizeram manchetes

Access to the comments Comentários
De  Euronews com euronews
Radar... as histórias que não fizeram manchetes
Tamanho do texto Aa Aa

À sexta-feira, os jornalistas das 13 línguas da euronews selecionam um conjunto de histórias que não tiveram direito a grande destaque na imprensa internacional.

Itália: Migrantes já trabalham como voluntários

Exploração ou integração, a polémica está acesa em Pesaro, na costa adriática de Itália. O poder local decidiu deixar os imigrantes ilegais fazer trabalho de voluntariado. Os migrantes que aguardam resposta ao pedido de asilo podem receber formação e ajudar a tratar dos jardins e espaços públicos da cidade ou apoiar os funcionários em tarefas administrativas.

Hungria: Adote um quarto de hospital

O hospital Markhot Ferenc, em Eger, na Hungria, foi construído há 32 anos. Não admira que esteja a precisar de obras. A União Europeia está a financiar a renovação dos equipamentos e do isolamento do edifício, mas o orçamento não chega para todas as obras necessárias.

A direção do hospital decidiu assim lançar a campanha “Adote um quarto do hospital” para angariar o dinheiro que precisa para renovar os quartos e comprar novas mobílias.

O quarto número 14 já foi adotado por uma empresa de construção e a sociedade civil já manifestaram a intenção de apoiar a iniciativa.

No vídeo abaixo, podemos ver a renovação que foi feita na seção de pediatria de um outro hospital que lançou uma campanha semelhante no ano passado.

Irão: Toni até celebrou mas não ganhou o campeonato

Quando soou o apito final do jogo entre o Tractor Sazi e o Naft, os adeptos da equipa orientada pelo português Toni invadiram o campo para celebrar o primeiro título de campeão do Irão da sua história. Mas a festa durou pouco. Minutos depois, a alegria deu lugar às lágrimas quando terminou o jogo do rival Sepahan FC, que acabou por empurrar a equipa de Toni para o segundo lugar da tabela.

Turquia: Pronto para morrer por Erdogan

O principal conselheiro de Recep Tayyip Erdogan declarou estar preparado para defender o presidente da Turquia com “duas pistolas e centenas de balas”. Yigit Bulut já tinha chamado à atenção em 2013 quando afirmou que existia uma conspiração internacional para matar Erdogan à distância recorrendo a métodos como a telecinésia

Desta vez, o também apresentador e comentador afirmou num programa da televisão pública, no dia 19 de maio, que “ninguém toca no presidente do país enquanto eu não for morto”

Grécia: “Lost in translation?”

Na Grécia, a imagem de dois sinais rodoviários separados por poucos metros tornou-se viral na rede. A razão é que na tradução do grego para o inglês, as distâncias às cidades de Kavala e Xanthi foram trocadas.

Ligações para as notícias originais:

“Itália: Migrantes já trabalham como voluntários”: http://www.linkiesta.it/richiedenti-asilo-lavoro

Hungria: Adote um quarto de hospital

Irão: Toni até celebrou mas não ganhou o campeonato

Turquia: Pronto para morrer por Erdogan

Grécia: Lost in translation?