EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Grécia: Tsipras desafia credores sem fechar portas

Grécia: Tsipras desafia credores sem fechar portas
Direitos de autor 
De  Rodrigo Barbosa com REUTERS / LUSA
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Alexis Tsipras diz que a Grécia está “mais perto do que nunca” de um acordo com os credores, mas reclamou a retirada do projeto de reformas imposto

PUBLICIDADE

Alexis Tsipras diz que a Grécia está “mais perto do que nunca” de um acordo com os credores, mas reclamou a retirada do projeto de reformas imposto pela União Europeia, pelo Banco Central Europeu e pelo Fundo Monetário Internacional, que classificou de “absurdo”.

Num discurso em tom de desafio no parlamento de Atenas, o primeiro-ministro grego afirmou que “é preciso uma solução. Depois de cinco anos, é precisa uma solução conclusiva, tanto para a Grécia, como para a Europa. Uma solução que ponha fim, de uma vez por todas, ao debate sobre a saída da Grécia da Zona Euro e que sirva de profecia realizável para o fim da crise”.

O discurso de Tsipras teve lugar um dia depois do governo grego anunciar a intenção de adiar para 30 de junho vários reembolsos da dívida, nomeadamente um previsto já para ontem para o FMI.

A analista Vicky Price diz que “isso dá à Grécia instrumentos para negociar, porque diz que não vai pagar, enquanto não tiver garantias de que irá receber algum dinheiro. E frisa a necessidade de uma solução rápida”.

Foi a primeira vez, em cinco anos de crise, que a Grécia falhou no pagamento de uma fatia da dívida.

O correspondente da euronews em Atenas, Stamatis Giannisis, diz que “apesar da retórica inflamada contra os credores internacionais, o primeiro-ministro grego pareceu disposto a continuar as negociações até que seja encontrada uma solução para os problemas fiscais do país”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tsipras diz ter feito propostas "realistas" aos credores

Gregos reagem ao adiamento do pagamento aos credores internacionais

Grécia continua braço-de-ferro com credores internacionais