EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

EUA: Polícia de Charleston divulga fotografia de suspeito de atentado a igreja

EUA: Polícia de Charleston divulga fotografia de suspeito de atentado a igreja
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Este é o alegado assassino que entrou, na noite passada, numa igreja frequentada por uma comunidade maioritariamente negra e disparou contra os

PUBLICIDADE

Este é o alegado assassino que entrou, na noite passada, numa igreja frequentada por uma comunidade maioritariamente negra e disparou contra os fieis, em Charleston, na Carolina do sul, Estados Unidos da América.

O suspeito continua a monte e é descrito como um homem de 21 anos, branco, usando uma sweatshirt, calças de ganga e botas.

Nove pessoas morreram no ataque: 3 homens e 6 mulheres. Entre as vítimas está o reverendo da igreja e membro do senado do estado, Clementa Pinckney.

A polícia classificou o ato como “um crime de ódio” e o suspeito como muito perigoso.

O autarca de Charleston, Joseph P. Riley Jr, considera que só o ódio pode mover alguém a entrar numa igreja e disparar contra os fiéis. Considerou o ato como “covarde” e espera levar o suspeito, perante a justiça, “o mais rápido possível”.

O ataque ocorreu na igreja episcopal metodista africana Emanuel no centro histórico de Charleston pelas 21 horas locais, 3 horas da manhã, em Lisboa.

A igreja foi, ainda alvo de uma ameaça de bomba, tendo sido evacuada.

De acordo com as informações fornecidas no seu “site”, esta é uma das mais antigas igrejas negras do sul dos Estados Unidos, remontando ao século XIX.

FBI has confirmed the suspect in Charleston AME church shooting identified as Dylann Roof, 21, of Lexington County. pic.twitter.com/EEzWlmOOCR

— Michael Skolnik (@MichaelSkolnik) junio 18, 2015

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Biden apoia o filho após condenação, mesmo sem indulto. "Estamos orgulhosos do homem que ele é hoje"

Biden chama nações "xenófobas" à Índia e Japão

EUA: estudantes universitários são presos por protestos pró-palestinos