Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Bandeira da Confederação, o símbolo da discórdia dos norte-americanos

Bandeira da Confederação, o símbolo da discórdia dos norte-americanos
Tamanho do texto Aa Aa

O homicida que executou 9 pessoas numa igreja batista de Charlston, na Carolina do Sul, ostentava, no seu blog, uma bandeira da confederação, o que pode levar à sua supressão.
Parte da história e da herança do sul dos Estadps Unidos para uns, símbolo de racismo e de segregação para os outros, não é a primeira vez que esta bandeira é alvo de polémica.
Em Charleston, depois do massacre, a maioria dos habitantes pede ao Estado que deixe de usar a bandeira da Confederação, de uma vez por todas.

Cornell William Brooks, presidente de NAACP:

- Esta bandeira é símbolo do ódio, um instrumento para o atiçar, para impelir à violência, para incitar a violência, é um símbolo que tem de desaparecer. Não há sítio para ele na nossa capital.

A Caroline do Sul é o unico Estado do país que hasteia esta bandeira com a configuração inicial. De origem, eram apenas 11 as estrelas que correspondiam aos 11 Estados do sul que recusavam a abolição da escravatura.

Durant Ashmore, South Carolina resident

- É um terrível insulto para os habitantes negros do Estado da Carolina do Sul. É como dizer que eles são seres inferiores, que não são, eles são iguais a nós. A Carolina do Sul é o Estado da diversidade e devemos dar-nos por felizes.

Além da Carolina do Sul, há bandeiras inspiradas na da Confederação em outros sete Estados: Arkansas, na Géeorgia, Mississipi, no Tenessee, Alabama, Caroline do Norte e Florida.

Objeto de controvérsia, está associada diretamente ao esclavagismo e, mais tarde, foi largamente utilizada pelos segregacionistas, antes da abolição do apartheid. Nos anos 30,´era um símbolo totalemnte racista, por ser o emblema do Ku Klux Klan. Esta organização de supremacia branca ainda a usa.

Nikki Haley, governadora da Carolina do Sul:

- Esta bandeira, mesmo se é parte integrante do nosso passado, não representa o futuro do nosso grabnde Estado. A minha esperança é, retirando este símbolo que nos divide, o Estado possa continuar um caminho de harmonia e que possamos honrar a memória das 9 vítimas mortais.

Além das boas intenções. Nikki Haley, a governadora da Carolina do Sul deve conseguir os votos de outros representantes para votar a supressão deste pomo da discórdia.