EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Saif al-Islam: O reformador que se transformou no último defensor do regime

Saif al-Islam: O reformador que se transformou no último defensor do regime
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O segundo filho de Muammar Kadhafi chegou a ser visto como um reformador e desempenhou um papel fundamental na aproximação do regime ao Ocidente

PUBLICIDADE

O segundo filho de Muammar Kadhafi chegou a ser visto como um reformador e desempenhou um papel fundamental na aproximação do regime ao Ocidente, entre 2000 e 2011. Nascido em 1972 e educado na Grã-Bretanha, em 2003 esteve envolvido nas negociações que colocaram um fim ao programa de armas nucleares do regime. Seis anos depois participou nas conversações que conduziriam à libertação de Abdel Baset al-Megrahi, condenado pelo atentado de Lockerbie.

Tudo mudou no início de 2011, quando rebentaram os protestos antigovernamentais na cidade de Bengazi, no leste da Líbia. O papel que desempenhou na repressão dos protestos valeu-lhe uma acusação de crimes contra a humanidade por parte do Tribunal Penal Internacional.

Durante a entrevista que concedeu à euronews, o filho de Kadhafi lançou acusações graves contra o então presidente francês, Nicolas Sarkozy, que apoiava a rebelião:

“Sarkozy tem de devolver o dinheiro que aceitou da Líbia para financiar a campanha eleitoral. Fomos nós que financiámos a sua campanha e nós temos provas. Estamos prontos para revelar tudo. A primeira coisa que pedimos a esse palhaço é que devolva o dinheiro ao povo líbio.”

Depois de três meses foragido, Saif al-Islam foi capturado na Líbia a 19 de novembro de 2011 e levado para a prisão de Zintan. O pai tinha sido morto um mês antes na cidade de Sirte.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Líbia: Pena de morte para Saif al Islam

Duas semanas após a catástrofe, Líbia recupera dezenas de corpos no mar

Centenas de manifestantes em Derna num protesto contra as autoridades