Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Japoneses contra energia nuclear: desastres nucleares, nunca mais

Japoneses contra energia nuclear: desastres nucleares, nunca mais
Tamanho do texto Aa Aa

As comemorações em memória das vítimas das bombas atómicas em Hiroshima e Nagasaki têm mais importância ainda depois do acidente na central nuclear de Fukushima.

Depois das bombas atómicas de Hiroshima e Nagasaki, os japoneses jamais cessaram de protestar contra a energia nuclear. Desde o drama de Fukushima, insistem com o governo para acabar com a opção por esta produção de energia

Passadas sete décadas sobre a tragédia, comprovadamente desnecessária, no fim da II GM, no dia 11 de março de 2011, desencadeou-se o desastre nuclear na central de Daiichi em Fukushima, o mais grave desde o acidente nuclear de Tchernobyl, em 1986.

Fukushima ‘não teve a mesma origem’ que os bombardeamentos de 1945, mas acabou por ter um forte impacto na população.

No fim, pouco importam as causas das catástrofes nucleares: os japoneses rejeitam o nuclear e manifestam-se frequentemente para exprimir a sua revolta.

São insensíveis às desculpas dos dirigentes da TEPCO, que explora a central nuclear de Fukushima…

Tsunehisa Katsumata, presidente da TEPCO (Tokyo Electric Power Company):

- Apresentamos as nossas desculpas, do fundo do coração, por este grave acidente que propagou a radioatividade na atmosfera e nos cursos de água, que teve efeitos na água potável e nas colheitas, causando problemas a toda a população.

Depois da explosão, os dirigentes políticos e a “TEPCO”: http://pt.euronews.com/2013/07/10/ex-diretor-da-central-nuclear-de-fukushima-morre-de-cancro/fizeram várias conferências de imprensa, mas foram sempre vagos sobre as circunstâncias do acidente. os japoneses sentiram-se vítimas da falta de informação.

Uma residente de Fukushima, justifica a saída da cidade:

- A televisão não diz nada, não temos informações, quero ir embora daqui.”

Uma outra, exprime a mesma frustração:

- Estou furiosa contra a TEPCO, que não tem a capacidade necessária para gerir centrais nuncleares. Quero, sinceramente, que desapareçam.

Os japoneses duvidam das capacidades dos responsáveis na gestão da crise mas também acham que eles abriram a porta para a saída do nuclear.

Tsutomi, de 71 nos de idade, reivindica:

- É uma oportunidade para nos desembaraçarmos da energia nuclear e passar para as energias renováveis. Se deixarmos passar a oportunidade todas as vítimas desta catástrofe terão sido sacrificadas em vão.

Depois das bombas atómicas em Hiroshima e Nagasaki, os japoneses jamais cessaram de protestar contra a energia nuclear. Depois do drama de Fukushima, insistem com o governo para acabar com a opção por esta produção de energia.

Os dirigentes demoram a reagir… mas a população insiste pois ainda não fez o luto dos três grandes dramas nucleares que marcaram a história do Império do Sol nascente.