EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Presidente da Bielorrússia liberta presos políticos e União Europeia "aplaude"

Presidente da Bielorrússia liberta presos políticos e União Europeia "aplaude"
Direitos de autor 
De  Francisco Marques com EFE, Belta
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Nikolai Statkevich é, porventura, o mais mediático dos 6 presos políticos indultados este fim de semana pelo Presidente da Bielorrússia. Após o fim

PUBLICIDADE

Nikolai Statkevich é, porventura, o mais mediático dos 6 presos políticos indultados este fim de semana pelo Presidente da Bielorrússia. Após o fim na sexta-feira do prazo para apresentação de candidaturas às presidenciais de 11 outubro, Alexandr Lukashenko, descrito por muitos como o último ditador da Europa, decidiu aceder ao pedido de Bruxelas para libertar, antes das eleições, os 6 elementos da oposição.

These are all the 6 political prisoners #Lukashenko just amnestied. Major signal 2 West before elections. #Statkevichpic.twitter.com/qrnSMnPIZV

— Fabian Burkhardt (@fa_burkhardt) 22 agosto 2015

Statkevich foi surpreendido pela libertação, mas considerou o momento escolhido como uma manobra do atual chefe de Estado para impedir o regresso da oposição às urnas. “Não estava à espera que Lukashenko me libertasse antes das eleições. Apesar de tudo, correu bem. Eles geriram bem a questão das eleições e, hoje, a oposição está num impasse. Nem pode boicotar o sufrágio nem pode apoiar nenhum dos candidatos aprovados. Há muita incerteza sobre o que fazer e foi apenas por isso que me libertaram”, afirmou o antigo líder do Partido Social Democrático da Bielorrússia.

Statkevich, de 59 anos, estava detido há mais de 4 anos, após concorrer às últimas presidenciais bielorrussas e perder por larga margem contra Lukashenko (1,02 por cento dos votos contra 79,65 por cento). As eleições decorreram a 19 de dezembro de 2010 e foram consideradas fraudulentas pelo ocidente.

Centenas de pessoas, entre elas pelo menos dois dos candidatos derrotados nas presidenciais, foram detidas sob acusação de organizar e participar nos protestos pós-eleitorais, que degeneraram em confrontos com as forças de segurança bielorrussas. Os Estados Unidos e a União Europeia exigiram a Minsk a libertação de todos os ex-candidatos presidenciais, mas não foram mais além do que vetar vistos de viagem para Lukashenko.

Este sábado, o gabinete de imprensa do Presidente bielorrusso anunciou a decisão de indultar 6 prisioneiros, tendo por base princípios humanos. Entre eles, Nikola Statkevich, que havia sido condenado em maio de 2011 a 6 anos de prisão. “Guiando-se por um princípio de humanismo, o Presidente da Bielorrússia decidiu indultar e libertar Nikolái Dedka, Ígor Olinevich, Nikolai Statkevich, Yevgueni Vaskovich, Artiom Prokopenko
e Yuri Rubtsov”, informou a agência de notícias estatal BelTA.

Лукашенко принял решение о помиловании и освобождении Николая Статкевича и ряда других лиц http://t.co/whSgp7r04Jpic.twitter.com/YVBijlykYT

— БелТА.by (@belta_news) 22 agosto 2015

(Tradução: “Lukashenko decidiu perdoar e libertar Nikolai Stakevich e uma série de outros…”)

A União Europeia já qualificou, entretanto, a libertação dos presos políticos como “um grande passo para a melhoria das relações com a Bielorrússia.”

O indulto surge numa altura em que Alexandr Lukashenko está na corrida para um quinto mandato consecutivo à frente da Bielorrússia. Minsk ganhou preponderância no cenário político internacional quando, em fevereiro, serviu de base para as negociações de paz para o leste da Ucrânia, que envolveu a Rússia, a França e a Alemanha.

Na corrida à presidência está também, pela primeira vez, uma mulher. Tatiana Korotkevich já reagiu ao indulto promovido por Lukashenko e relacionou-o à “difícil situação económica” do país, muito dependente do setor energético russo e a necessitar de estreitar novos laços com o ocidente.

Election 2015. Most potential presidential candidates reach 100,000 signature threshold http://t.co/ytXO7ukF28

— BelTA (@Belarus_News) 20 agosto 2015

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Morreu cidadão lituano detido na Bielorrússia

Prisioneiro político bielorrusso morre por alegada falta de cuidados médicos

Lukashenko afirma que Putin não lhe disse nada sobre a guerra com a Ucrânia