EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Irão e Iémen ensombram 1.ª visita do Rei Salman aos EUA

Irão e Iémen ensombram 1.ª visita do Rei Salman aos EUA
Direitos de autor 
De  Dulce Dias com AFP, REUTERS
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Na agenda do encontro, a questão síria, o acordo sobre o nuclear iraniano ou ainda a crise no Iémen

PUBLICIDADE

Na primeira visita do Rei Salman da Arábia Saúdita a Washington, o soberano referiu uma “relação forte e profunda” entre o seu país e os Estados Unidos.

Na agenda do encontro, a questão síria, o acordo sobre o nuclear iraniano ou ainda a crise no Iémen.

Obama evocou “preocupações partilhadas” no que respeita à Síria – referindo, uma vez mais, a necessidade de alcançar uma transição política em Damasco – e uma colaboração “estreita” entre os dois países na luta contra os djihadistas do grupo Estado Islâmico.

Menos consensual é o acordo nuclear alcançado com o Irão. A Arábia Sáudita receia que Teerão venha a ganhar importância na região.

US promising Saudi king to help to keep Iran in check: WASHINGTON (AP) — The Obama administration is greeting … http://t.co/8wQHTo3PPk

— Saudi Arabia News (@dlsaudiarabian) 4 Septembre 2015

Tanto mais que Riad está em confronto direto com Teerão na questão do Iémen.

Washington rolls out red carpet for Saudi king to discuss bloody Yemen war, Iran, Syria http://t.co/LYuetXZjjepic.twitter.com/PQMeLr98Ag

— RT America (@RT_America) 4 Septembre 2015

O tema que provocou mesmo um protesto frente à Casa Branca. Uma dezenas de manifestantes acusam a Arábia Saúdita de matar iemenitas.

Outside the WhiteHouse</a>: dueling protests for/against intervention in Yemen&#39;s civil war, as Saudi king meets w/ Obama <a href="http://t.co/eOl2oCQY9Y">pic.twitter.com/eOl2oCQY9Y</a></p>&mdash; Josh Lederman (joshledermanAP) 4 Septembre 2015

Os dois países concordam que é preciso combater os rebeldes xiitas houthis e instaurar um verdadeiro poder em Aden, mas Washington alerta contudo para o impacto do conflito na região.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Calor já matou quase 600 muçulmanos em peregrinação a Meca

Pelo menos 19 mortos na peregrinação a Meca devido ao calor extremo

Meca: o apedrejamento do diabo marca o fim do Hajj e o início das celebrações do Eid al-Adha