EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Síria discutida na conferência Yalta European Strategies

Síria discutida na conferência Yalta European Strategies
Direitos de autor 
De  Dulce Dias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A situação na Síria voltou a mostrar que russos e americanos não estão de acordo sobre a saída política da crise

PUBLICIDADE

A guerra na Síria e a consequente crise dos migrantes preocupam mesmo a Ucrânia e são de debatidos na conferência anual Yalta European Strategies que, pelo segundo ano consecutivo, anexação da Crimeia ‘oblige’, se realiza em Kiev.

Criada em 2004, a chamada conferência “YES” reúne dirigentes e diplomatas de todo o mundo para discutir, sobretudo, os desafios e as perspetivas europeias da Ucrânia, mas o espetro das discussões vai-se alargando.

Since 2004, #Yalta European Strategy Provides Forum To Lift #Ukraine's Global Profile #YEShttp://t.co/KjjCdYtxmapic.twitter.com/7VPBkAZciv

— Kyiv Post (@KyivPost) 11 Septembre 2015

A situação na Síria voltou a mostrar que russos e americanos não estão de acordo sobre a saída política da crise.

Os norte-americanos continuam a defender que Bashar Al-Assad deve abandonar o poder enquanto os russos apoiam o regime de Damasco.

O analista Ruslan Grinberg, da Russian Academy of Sciences analista explica a posição de Moscovo: “Estamos a assistir às consequências das intervenções na Líbia e no Iraque. É por isso que podemos vir a sofrer consequências graves após uma mudança de regime, na Síria.”

Ribal Al-Assad, um primo do presidente sírio, que vive no exílio, defende, por seu lado, uma mudança de regime e aponta o dedo ao Ocidente:

“A comunidade internacional, desde o início, não tentou estabelecer uma genuína oposição democrática como alternativa viável ao regime sírio. Pelo contrário, manteve-se na retaguarda e permitiu que países como a Arábia Saudita, o Catar e outros tomassem o controlo completo da Síria. E estes países não querem ver uma verdadeira democracia na Síria. Pelo contrário, querem um país islâmico que possam controlar e que seja semelhante aos seus próprios países”, explica Ribal Al-Assad.

Por seu lado, o primeiro-ministro ucraniano, Petro Poroshenko, o primeiro grande orador da conferência, “acusa o Kremlin de enviar “homens verdes” para a Síria – “tal como fez na Crimeia”, diz – criando “mais violência” e “aumentando o o êxodo de migrantes” para a Europa”:http://www.voanews.com/content/poroshenko-cease-fire-holding-russia-seeks-destabilize/2959851.html.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Israel ataca unidade de defesa aérea no sul da Síria com mísseis

Embaixador iraniano na Síria promete retaliação após alegado ataque israelita destruir consulado

Ataque israelita destrói consulado iraniano em Damasco e mata alta patente militar