A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Hungria fecha porta da União Europeia aos migrantes

Hungria fecha porta da União Europeia aos migrantes
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Sob forte atenção mediática e debaixo de um coro de críticas dos defensores dos direitos humanos, um dos portões de entrada na União Europeia foi fechado na fronteira da Sérvia com a Hungria.

Desde a meia-noite, a vida tornou-se substancialmente mais difícil para os milhares de migrantes que tentam chegar ao centro e norte da Europa. Os que entrarem ilegalmente na Hungria são agora considerados criminosos pelas autoridades.

O governo de Budapeste tenta justificar as medidas draconianas. Afirma que, esta segunda-feira, “houve um recorde de travessias ilegais da fronteira. O número real deve ficar próximo de 10.000 em apenas um dia. O objetivo da posição da Hungria é restabelecer a capacidade da Europa de proteger as suas fronteiras”, adiantou um porta-voz do executivo.

Como recordou esta noite o primeiro-ministro húngaro, qualquer travessia ilegal passa a ser “um crime punível com pena de prisão ou deportação”, esquecendo-se que, nos países de origem, é a morte que provavelmente espera quem fugiu da guerra e do caos. Viktor Orbán avisou também que quem não tenha pedido asilo na Sérvia verá o seu pedido na Hungria ser “rejeitado”, o que promete exponenciar o número de deportações.