EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Hungria reinstaura controlos fronteiriços com a Eslovénia

Hungria reinstaura controlos fronteiriços com a Eslovénia
Direitos de autor 
De  João Peseiro Monteiro com AFP, REUTERS
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O governo húngaro reinstaurou os controlos na fronteira com a Eslovénia este sábado depois de encerrar as ligações com a Croácia na noite anterior

PUBLICIDADE

O governo húngaro reinstaurou os controlos na fronteira com a Eslovénia este sábado depois de encerrar as ligações com a Croácia na noite anterior. Budapeste recusa a entrada de refugiados no país. A Croácia não faz parte do espaço Schengen, ao contrário da Eslovénia, mas isso não é um problema para o executivo.

“De acordo com os regulamentos de Schengen, reinstaurámos os controlos na fronteira com a Eslovénia. Esta é uma medida necessária porque, durante a manhã, migrantes que vinham da Croácia rumo à Eslovénia foram vistos junto ao posto fronteiriço de Redics” – explica o porta-voz do governo, Zoltan Kovács.

A Eslovénia está preparada para acolher diariamente cerca de 8 mil refugiados em trânsito, enquanto a Áustria e, sobretudo, a Alemanha não mudarem de posição e continuarem a acolher os requerentes de asilo. A Sérvia também adotou a mesma postura. A Áustria reforçou entretanto a presença policial junto à fronteira eslovena para acolher o fluxo de refugiados.

O fecho da fronteira húngaro-croata, por onde transitaram cerca de 170 mil pessoas no último mês, faz da Eslovénia o primeiro ponto de entrada no Espaço Schengen. Durante a manhã de sábado tinham chegado 600 refugiados a este país de dois milhões de habitantes. As autoridades aguardavam, pelo menos, mais 1800 até ao final do dia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Hungria sela fronteira com a Croácia por entre críticas à "falta de ação europeia"

Na Hungria, uma nova oposição liderada por Péter Magyar desafia Viktor Orbán

Opositor de Orbán mobiliza milhares em manifestação anti-governo