EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Acolhemos quem necessita de refúgio, diz ministro do Interior alemão

Acolhemos quem necessita de refúgio, diz ministro do Interior alemão
Direitos de autor 
De  Nelson Pereira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

"As políticas de migração têm um rosto amigável e outro severo. Não porque um seja bom e o outro mau - são as duas faces das mesma moeda", diz Thomas de Maizière.

PUBLICIDADE

As autoridades alemãs são confrontadas com críticas à política de migração, enquanto a polícia alemã alerta para o aumento de violência contra refugiados no país.

O ministro do Interior, Thomas de Maizière, garantiu, esta quinta-feira, que estes ataques serão punidos e lembrou que as políticas de migração determinam o acolhimento daqueles que necessitam de proteção e não dos que procuram melhores condições de vida.

“Aqueles que necessitam de asilo devem ser autorizados a ficar aqui, a integrar-se, aprender a língua, e ter um emprego, mas aqueles que não precisam de proteção, mesmo sendo compreensível que procurem uma vida melhor aqui, devem deixar o nosso país”, disse Thomas de Maizière, durante uma visita a um centro de acolhimento de refugiados em Bamberg.

Segundo um relatório do Departamento Federal de Investigação Criminal (BKA) revelado esta quinta-feira pelo jornal “Süddeutsche Zeitung”, desde o início do ano, foram registrados na Alemanha 576 delitos contra os refugiados ou os centros de refugiados, mais do dobro dos casos verificados em 2014.

Entretanto, o alto comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Zeid Ra’ad Al Hussein, criticou as autoridades da Républica Checa por “violações sistemáticas dos direitos humanos”, acusando o presidente Milos Zeman de proferir declarações islamofóbicas.

Segundo Al Hussein, as autoridades checas obrigam os migrantes e refugiados a períodos de detenção de 40 dias, por vezes até 90 dias, em condições degradantes, obrigando-os até a pagar pela sua detenção.

O porta-voz de Zeman em Praga respondeu que “O presidente denunciou várias vezes o fundamentalismo islâmico e não vai mudar de opinião sob pressão do exterior “.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Crise migratória: Juncker convoca cimeira extraordinária para domingo

AfD rejeita acusações de propaganda pró-russa a troco de dinheiro

Robert Habeck, vice-chanceler da Alemanha: A Europa deve afirmar-se e ser capaz de defender-se