Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Moscovici: "Europa está sólida mas é preciso mais dinamismo"

Moscovici: "Europa está sólida mas é preciso mais dinamismo"
Tamanho do texto Aa Aa

No rescaldo da divulgação das previsões económicas de outono da Comissão Europeia, em entrevista à Euronews, o comissário para os Assuntos Económicos e Financeiros, Fiscalidade e Alfândegas, Pierre Moscovici, comentou o cenário macroeconómico.

Efi Koutsokosta, euronews – Quais são os fatores que poderiam fazer a economia europeia descarrilar da recuperação?

Pierre Moscovici, comissário europeu dos Assuntos Económicos e Financeiros, Fiscalidade e Alfândegas – Neste mundo complexo, com tensões geoestratégicas e dificuldades aqui e ali, estamos sólidos. Mas não basta ser-se sólido, é preciso mais do que isso. É preciso ser-se mais dinâmico. O desemprego está a diminuir, mas o que vemos é que diminui muito devagar ou que os números se mantêm muito altos e que, ao mesmo tempo, varia de país para país. Por isso, os países são incentivados a continuar a fazer reformas, especialmente no setor do mercado de trabalho, porque se trata de um fator-chave para voltar ao crescimento, fortalecer o ritmo e ter melhores resultados a nível de emprego.

euronews – A Grécia é o único Estado-membro que continua em recessão. Acaba de regressar do país. Considera que se está no bom caminho para se realizar reformas e implementar o programa ou não?

PM – Está claro que atualmente a cooperação com o governo de Alexis Tsipras é bastante boa. Está melhor, diria eu, do nunca, com os governos anteriores. Não foi esse o caso no início do ano, mas agora, desde julho, encontramo-nos na base de uma cooperação sólida e bastante positiva. Ainda há algumas reformas que terão primeiro de ser adotadas e implementadas, mas o Governo e o povo grego têm de ter consciência de que se as reformas prosseguirem, o crescimento regressará.

euronews – Acredita que existe a possibilidade de obter resultados nos prazos para que, por exemplo, os bancos possam ser recapitalizados antes do final deste ano e se possa reabrir a discussão sobre a dívida?

PM – Não se trata de ser possível, mas sim necessário. A mensagem que deixei em Atenas é a de que precisamos de concluir a primeira etapa do programa e o processo de recapitalização dos bancos antes do final do ano. Se fizermos ambas as coisas corretamente estaremos em condições de começar as discussões sobre a dívida, que sei tratar-se de um elemento-chave para o governo e para o povo grego.

euronews – Outro aspeto que pode ter impacto na economia europeia e que afeta países castigados pela austeridade é a crise de refugiados. A Comissão Europeia está otimista em relação aos pedidos de alguns Estados-membros sobre uma espécie de flexibilidade do Pacto de Estabilidade e Crescimento?

PM – O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, disse que respeitaria o Pacto de Estabilidade e Crescimento, mas que poderia haver circunstâncias excecionais que precisam de ser verificadas com os governos e os países envolvidos e que então se poderia tomar decisões excecionais.

euronews – Pode especificar?

PM – Não.

euronews – Está em discussões com o Eurogrupo?

PM – Partilhamos a mesma visão. Jeroen Dijsselbloem também se manifestou no mesmo sentido, mas temos de trabalhar com base em dados. Esperamos dados dos países e dos governos.

euronews – Concorda com o que o presidente do Eurogrupo propôs recentemente? O corte de alguns fundos da União Europeia aos países que não estão muito dispostos a aceitar e receber refugiados?

PM – Primeiro precisamos de ver o impacto global positivo da crise de refugiados.

euronews – A longo prazo?

PM – Não é a longo prazo. Estamos a fazer previsões para 2015, 2016 e 2017. O impacto é ligeiramente positivo, 0,2%, 0,3% do PIB, e é, obviamente, maior nos países de acolhimento. Precisamos de ter uma abordagem global e vamos discutir na Comissão e no Conselho.