EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Turquia: O longo caminho para chegar à União Europeia

Turquia: O longo caminho para chegar à União Europeia
Direitos de autor 
De  Nara Madeira com AFP/Comissão Europeia
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A publicação do relatório da União Europeia que fala num “significativo retrocesso” em termos de Direitos Humanos, na Turquia, coincide com o

PUBLICIDADE

A publicação do relatório da União Europeia que fala num “significativo retrocesso” em termos de Direitos Humanos, na Turquia, coincide com o aniversário da morte de Atatürk, o fundador da Turquia moderna, que em 1923 lançou uma onda de reformas para transformar a sua nação, à imagem das democracias europeias. Setenta e sete anos depois a clivagem permanece mas o homem que tem nas mãos os destinos do país não desiste:

“A Turquia é hoje um país poderoso. Se ainda veem a Turquia como um país que implora enganam-se, a Turquia já não é um país que implora. A Turquia é um país capaz de se manter de pé sozinho e com a sua determinação o pedido de adesão da Turquia à União Europeia será aceite. Se não for, desenharemos o nosso próprio caminho”, afirmava Erdogan em janeiro de 2015.

Um ano depois, e após uma vitória eleitoral importante, o mais provável é que o novo relatório faça Erdogan “perder a paciência”, de uma vez, ainda que Ancara siga já o seu próprio caminho sem se preocupar muito com o que Bruxelas dita. Bruxelas e não só, pelo menos no que diz respeito aos Direitos Humanos.

O longo caminho para uma eventual adesão da Turquia à União Europeia, iniciado em 1963 mas efetivado a 14 de abril de 1987, pode terminar num sinal de sentido proibido. Desde 1999 – ano em que foi reconhecida, oficialmente, como candidata, até 2004, ano da abertura do processo – não houve grandes avanços. Ainda que, do lado turco, Erdogan, tenha abolido a pena de morte, para aproximar o país do estatuto de Estado de pleno direito dentro da União Europeia, há ainda muito caminho a percorrer.

Nicolas Sarkozy e Angela Merkel foram os principais opositores da adesão da Turquia à UE mas a crise dos refugiados obrigou a chanceler alemã a adotar uma nova estratégia. A Turquia está no centro da crise dos refugiados, é um dos países que mais pessoas recebeu nos últimos meses e a Europa precisa da sua ajuda para mantê-los aí.

É, aliás, no capítulo dos refugiados, do relatório da União Europeia, que a Turquia se saiu bem. Como prova disso, e da necessidade, em outubro, Angela Merkel visitou a Turquia e prometeu relançar as negociações. Promessas que não estão a ser recebidas com entusiasmo pelos turcos, por razões óbvias. Até porque as incertezas são ainda muitas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

UE vê "tendência negativa" para Estado de Direito na Turquia

Líderes dos rivais regionais Grécia e Turquia reúnem-se para estreitar relações

Responsáveis da discoteca que ardeu em Istambul detidos para interrogatório