EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Tribunal Constitucional espanhol chumba independência da Catalunha

Tribunal Constitucional espanhol chumba independência da Catalunha
Direitos de autor 
De  Ricardo Figueira com Ana Miranda, EFE
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A menos de 20 dias das eleições gerais espanholas, o Tribunal Constitucional rejeitou a moção de independência aprovada pelo parlamento catalão no mês passado.

PUBLICIDADE

O Tribunal Constitucional (TC) de Espanha anulou a resolução independentista aprovada pelo parlamento da Catalunha em 9 de novembro, apenas dois dias antes do início oficial da campanha das eleições legislativas.

A rapidez com que o TC se pronunciou neste caso foi interpretada como um desejo dos magistrados de que a sentença não interfira na campanha eleitoral, que começa amanhã à meia-noite.

No dia 9 de novembro, os grupos independentistas catalães Junts per Sí (62 assentos) e CUP (10) uniram os votos para que a câmara regional da Catalunha aprovasse com maioria absoluta uma resolução de início do processo separatista.

Cap Tribunal podrà aturar la voluntat dels catalans expressada a les urnes el #27S. El procés continua avançant! pic.twitter.com/5z3lQiNqVL

— Junts pel Sí (@JuntsPelSi) December 2, 2015

Apenas dois dias depois, o governo espanhol recorreu ao TC por considerar que a moção catalã vai contra o ordenamento constitucional, por atentar contra a unidade do Estado.

As sondagens para as eleições do dia 20 colocam à frente o PP de Mariano Rajoy, embora com maioria relativa: “O TC revogou toda a resolução, ponto por ponto. Isso alegra-nos, tal como à maioria do povo espanhol, que acredita em Espanha, na soberania nacional e na igualdade dos cidadãos”, disse Rajoy.

O principal partido independentista da Catalunha defende-se: “Eles estão a esconder-se atrás de um tribunal que eles próprios controlam, e sabem disso. Tudo isto é muito inconsistente”, diz Francesc Homs, número dois da Convergência Democrática Catalã (CDC), principal partido da plataforma Junts Per Sí.

A Junts Per Sí forma uma maioria no parlamento catalão, juntamente com o partido esquerdista CUP, de Antonio Baños. Ambas as forças formam uma frente independentista, mas o entendimento no seio das forças pró-independência está longe de ser conseguido. Para já, não há consenso sobre o nome do próximo presidente do governo regional: A CUP rejeita o nome do atual presidente Artur Más.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O que está por trás da última polémica de Milei com o governo espanhol?

Espanha recusou autorização para escala a navio que transportava armas para Israel

Vitória socialista nas eleições catalãs põe fim ao domínio pró-independência