EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Frieza iraquiana no anúncio de mobilização de tropa de elite dos EUA

Frieza iraquiana no anúncio de mobilização de tropa de elite dos EUA
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os Estados Unidos vão enviar uma força de elite para o Iraque para realizar operações contra o grupo Estado Islâmico – raides, libertar reféns

PUBLICIDADE

Os Estados Unidos vão enviar uma força de elite para o Iraque para realizar operações contra o grupo Estado Islâmico – raides, libertar reféns, recolher informações e capturar líderes.

Mas apenas se o Iraque aprovar. O primeiro-ministro iraquiano Haider al-Abadi frisou que o país não precisa de ajuda e terá que haver autorização do governo.

Poderosos grupos chiitas também prometeram lutar contra os americanos.

O anuncio norte-americano foi proferido pelo secretário de Defesa Ashton Carter (num comissão da câmara dos representantes).

A medida parece agradar republicanos e democratas.

“Em primeiro lugar, a administração têm que armar os curdos e depois vamos ter a presença americana no terreno e fazer o necessário para destruir esta organização maléfica”, explicou à Euronews, Trent Franks, congressista republicano.

“Estou confiante de que vamos ganhar, mas precisamos de ter a certeza que temos a estratégia correta e a boa integração dos nossos recursos para garantir a vitória. Significa também integrar recursos aqui na América e também estabelecer parceiras com os nossos aliados na Europa e noutros lados para garantir uma frente unida contra estes extremistas que ameaçam a nossa maneira de viver em todo o mundo”, diz Seth Moulton, congressista democrata.

O número de militares da força especial não foi revelado, mas sabe que o número de homens não deverá ultrapassar os duzentos.

O correspondente da Euronews em Washington, Stefan Grobe, explica que “desde os ataques de Paris, o Presidente Obama tem estado debaixo de pressão dos dois partidos para ter uma postura muito mais agressiva contra o grupo Estado Islâmico. No entanto, como o secretário Carter afirmou, a administração não está disposta a fazer adaptações. A mensagem para os congressistas foi: não esperem vitórias fáceis e rápidas”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Estados Unidos pedem ajuda aos aliados da NATO

Coligação e iraquianos atingem alvos do EI

Alemanha integra coligação contra ISIL