Alegados jihadistas detidos na Bélgica

Alegados jihadistas detidos na Bélgica
De  Ricardo Figueira com AFP, Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

As autroridades belgas anunciam a detenção de dois alegados jihadistas. Sabe-se também que Salah Abdeslam esteve na Hungria, onde recrutou cúmplices para os ataques de Paris.

O bairro de Molenbeek, em Bruxelas, foi mais uma vez palco da detenção, por parte das autoridades belgas, de um alegado jihadista.

Sabemos que um dos organizadores (dos atentados de Paris) esteve em Budapeste. Esteve na estação de Keleti e recrutou um grupo entre os migrantes.

Este bairro passou a ser conhecido, a nível mundial, pelas mais tristes razões: É daqui que eram originários vários dos organizadores e participantes nos atentados terroristas do dia 13 em Paris.

Um homem de nacionalidade belga foi detido nesta zona, enquanto outro, de nacionalidade francesa, foi detido no principal aeroporto da cidade, quando se preparava para embarcar para Marrocos.

As duas detenções aconteceram no domingo e vêm juntar-se a quatro outras, incluindo as de alegados cúmplices de Salah Abdeslam, que o terão ajudado a regressar à Bélgica.

Segundo o governo da Hungria, um dos organizadores dos ataques de Paris recrutou cúmplices entre a onda de migrantes que chegou ao país: “Sabemos que um dos organizadores esteve em Budapeste. Esteve na estação de Keleti, recrutou um grupo entre os migrantes que se tinham recusado a registar-se ali e deixou o país com eles”, diz János Lázár, chefe de gabinete do PM húngaro Viktor Orbán.

A pessoa de quem o governo de Budapeste fala deve mesmo tratar-se de Salah Abdeslam, que é neste momento o homem mais procurado da Europa.

As autoridades francesas confirmaram que Abdeslam esteve na Hungria em setembro e terá sido aí que recrutou alguns dos homens que participaram nos ataques do dia 13.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Badie: "o Daesh e a Al Qaeda são empresários da violência"

Molenbeek, um fio condutor do terrorismo na Europa?

Perfil dos atacantes de Paris