This content is not available in your region

Quem são os "moderados" da oposição síria?

Access to the comments Comentários
De  Ricardo Figueira  com Benham Masoumi
Quem são os "moderados" da oposição síria?

Uma centena de representantes da oposição síria e do exército do país começam, esta quarta-feira, negociações em Riade (Arábia Saudita). O objetivo é unificar as posições, com vista a eventuais negociações com o regime de Bashar el-Assad. É uma reunião sem precedentes desde o início da crise síria em 2011.

Segundo os media dos países árabes, todos os grupos armados operacionais na Síria, à exceção do Daesh e da frente Al-Nusra, braço sírio da A-Qaida, foram convidados para esta reunião. Mas quem são estes opositores “moderados” (sendo que alguns de moderado não têm nada) que merecem a confiança da comunidade internacional para combater o Daesh e ajudar a construir o futuro da Síria?

A vertente política

Os diferentes membros da Coligação Nacional das Forças da Oposição e Revolução CNFOR encontram-se em Riade. Esta formação política reúne uma grande variedade política, religiosa e étnica de opositores ao regime de Assad. É uma coligação que existe desde 2012 e é dirigida por Khaled Khodja desde janeiro deste ano.

Contém fações completamente diferentes e mesmo antagónicas: A Irmandade Muçulmana, políticos laicos, nacionalistas árabes, opositores curdos, cristãos e até alauítas.

Apesar de contactos com algumas fações militares, a CNFOR, também chamada Coligação Nacional Síria, não controla praticamente nenhuma parte do território.

A vertente militar

Os grupos armados, na maioria islamitas, estão presentes em Riade. Há dois grupos cuja presença é mais notada:

Jaich al-Islam

Coligação de brigadas islamitas ativas no solo sírio. Apoiada pela Arábia Saudita, esta força tem como ideologia principal o salafismo. Controla zonas estratégicas na periferia de Damasco. Apesar da aparente radicalização, este grupo condenou os ataques do dia 13 de novembro em Paris.

Exército livre sírio

Criada em 2011, é a primeira formação militar da guerra civil síria. Fundado por soldados e desertores das forças armadas sírias, o exército livre começou a perder força face aos islamitas em 2012. Esta formação controla hoje zonas limitadas no norte da Síria, na fronteira com a Turquia, tal como certas zonas do sul, perto da fronteira com a Jordânia. Na província de Idlib, algumas antigas fações do Exército Livre Sírio juntaram-se à Jaish al-Fath (Exército de conquista), dirigida pela Frente Al-Nosra, braço sírio da Al-Qaida.

Alguns membros da oposição síria não participam na conferência de Riade, em protesto contra o convite feito a organizações que qualificam de terroristas, como o grupo Ahrar al-Cham, aliado da al-Nosra.

http://ahraralsham.net/?page_id=4195

Os ausentes: Curdos e Frente Democrática

O Partido de União Democrática (PYD) e respetivo braço armado Unidades de Defesa Popular (YPG), tal como a Frente Democrática, coligação de rebeldes curdos e árabes apoiada pelos Estados Unidos, não foram convidados para a conferência de Riade, mas organizaram um “encontro paralelo”:
http://www.lalibre.be/dernieres-depeches/belga/conflit-en-syrie-des-kurdes-exclus-de-la-conference-de-ryad-sont-reunis-avec-d-autres-opposants-en-syrie-5667499b357004acd0fff31f na Síria. As críticas à Arábia Saudita são uma das razões para esta ausência.