EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Espanha: Eleitores indecisos são trunfo para a vitória

Espanha: Eleitores indecisos são trunfo para a vitória
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

As legislativas espanholas são um verdadeiro jogo de cartas para os indecisos, pois são esses eleitores que têm as cartas para o poder. A menos de

PUBLICIDADE

As legislativas espanholas são um verdadeiro jogo de cartas para os indecisos, pois são esses eleitores que têm as cartas para o poder.

A menos de uma semana para as eleições, os líderes dos quatro principais partidos políticos tentam reunir o maior número de trunfos para recolher o máximo de vazas, que é como quem diz votos.

E os indecisos por esta altura são cerca de um terço dos eleitores votantes.

“Todos eles querem os indecisos. Mas existirão menos eleitores indecisos do PP comparativamente com o PSOE. E também afeta o Podemos porque é a chance deles conseguirem arrecadar votos”, diz Ramon Cotarelo, Professor de Ciência Política, da Universidade Nacional de Educação à Distância.

Corrupção, má governação ou simplesmente mudança são os motivos apontados para a falta de determinação dos eleitores indecisos que desta vez têm dois novos partidos. O Podemos e o Ciudadanos podem ser a chave para uma maioria absoluta.

“Sinto-me enganado com a política e mesmo agora estou indeciso entre dois partidos. Mas como tem havido tanta corrupção… não sei sequer se vou votar”, diz um espanhol.

“Na verdade, não sei. Ainda estou muito indecisa, acho que vou esperar até ao último momento”, explica uma eleitora.

Uma coisa parece certa, 2015 ficará na história como o ano do fim do bipartidarismo no Congresso espanhol e o início da existência de quatro grandes partidos com jogos políticos ainda imprevisíveis.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Espanha: Reforma constitucional pendente

Espanha: Sánchez quer que a comunidade internacional "exerça mais pressão" sobre Israel

O Supremo Tribunal mantém o mandado de captura de Puigdemont após a publicação da lei da amnistia