Última hora
This content is not available in your region

Chefe de diplomacia luxemburguesa critica reforma constitucional na Polónia

Chefe de diplomacia luxemburguesa critica reforma constitucional na Polónia
Tamanho do texto Aa Aa

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Luxemburgo, país prestes a deixar a presidência rotativa da União Europeia, alertou o Governo da Polónia de que o se está a passar no país tem “reminiscências do curso tomado por regimes ditatoriais.”

Jean Asselborn referiu-se assim à polémica reforma governamental, que limita a independência do Tribunal Constitucional.

A lei foi aprovada graças à maioria absoluta do Partido Lei e Justiça, da primeira-ministra Beata Szydlo e do líder da formação Jaroslav Kaczynski.

Com 235 votos a favor, 181 contra e quatro abstenções, a lei teve “luz verde” numa sessão tensa. Na prática abre-se a porta ao controlo político do Constitucional e dificulta-se a tomada de decisões.

O Supremo Tribunal polaco já alertou para as consequências e nas ruas de Varsóvia e de outras cidades do país já se fizeram ouvir protestos contra o novo Governo nacionalista e conservador.

O ex-líder sindicalista Lech Walesa apelou à realização de um referendo para que a população se possa expressar e para que se possam convocar eleições antecipadas.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.