EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

"Lobby" das armas considera que medidas de Obama são "usurpação de poder"

"Lobby" das armas considera que medidas de Obama são "usurpação de poder"
Direitos de autor 
De  Rodrigo Barbosa com REUTERS
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os rivais republicanos e, em particular, o poderoso “lobby” das armas de fogo nos Estados Unidos reagiram com uma rápida e viva oposição às medidas

PUBLICIDADE

Os rivais republicanos e, em particular, o poderoso “lobby” das armas de fogo nos Estados Unidos reagiram com uma rápida e viva oposição às medidas executivas apresentadas esta terça-feira por Barack Obama.

Na resposta à iniciativa do presidente norte-americano para tentar diminuir a violência armada, o diretor-executivo da Gun Owners of America – segunda maior organização pró-armas do país depois da National Rifle Association – defendeu que “as ordens executivas constituem uma usurpação do poder” e que Obama “não tem a capacidade para legislar constitucionalmente. Não está a clarificar uma imprecisão da lei, mas está a adicionar especificidades em aspetos onde a lei já é específica”.

Num tom de desafio, Larry Pratt defendeu ainda que “o presidente e, por extensão, os democratas estão a cometer um grande erro. Mas não devem ser impedidos de fazê-lo. Cada vez que os democratas se querem involver para forçar o controlo das armas de forma política, custa-lhes um braço e uma perna e, se querem caminhar para as eleições de 2016 assumindo-se como os ‘campeões do controlo de armas’, devem fazê-lo”.

Do lado dos candidatos à nomeação republicana na corrida para a Casa Branca, multiplicam-se as promessas de reverter as ações de Obama, caso conquistem a presidência.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

EUA: Obama "desarma" Congresso com plano para reduzir violência armada

Biden chama nações "xenófobas" à Índia e Japão

EUA: estudantes universitários são presos por protestos pró-palestinos