Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Charlie Hebdo: Um ano após o ataque terrorista

Charlie Hebdo: Um ano após o ataque terrorista
Tamanho do texto Aa Aa

Um ano após o atentado terrorista contra o Charlie Hebdo, que matou 12 pessoas no interior e no exterior da sede parisiense, o semanário volta a causar polémica.

Esta “edição especial” do jornal satírico francês é uma das mais antirreligiosas de sempre.

Na capa, um deus barbudo, armado com uma “kalachnikov” e com o hábito ensanguentado

“Lembramo-nos do que aconteceu há um ano. Não devemos esquecer e ainda continua. Aconteceu, outra vez, em novembro. Não devemos desistir. Nunca. Costumo comprá-lo todas as semanas, por isso, não muda nada.
Queria obter este, como um tributo”, afirma um parisiense.

A caricatura de capa já mereceu críticas de vários líderes religiosos em França e no mundo.

O diretor do jornal, Riss, afirma que “o Charlie Hebdo sempre defendeu a laicidade.” Diz ainda que a publicação “tem sido atacada, agredida, questionada e retratada como fundamentalista. Está tudo invertido.”

No dia 7 de janeiro de 2015, a sede do jornal satírico, em Paris foi alvo de um ataque terrorista. 12 pessoas morreram.

Esta semana, a capital francesa recorda as vítimas.

François Hollande, preside às cerimónias oficiais.