EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Arte e sexismo

Arte e sexismo
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O festival internacional de banda desenhada francesa de Angoulême foi acusado de sexismo por não incluir, no programa desta edição, nenhuma mulher entre os finalistas candidatos ao Grande Prémio.

PUBLICIDADE

O festival de banda desenhada que decorre em Angoulême, em França, no fim do mês de Janeiro, foi acusado de sexismo. Nenhuma mulher está presente entre os finalistas candidatos ao Grande Prémio. A direcção de um dos maiores festivais de BD decidiu alargar os candidatos sem, no entanto, indicar a proporção de autoras que vão figurar na listagem final.

Em sua defesa a direcção lembrou toda a sua vasta programação, que tanto nas secções oficiais como nas iniciativas paralelas deu grande atenção à BD no feminino, referindo, a título de exemplo, os 25% de edições que têm mulheres como autoras.

Reações nas redes sociais

“Condescendente”, “ridículo”, “embaraçoso”, “falta de juízo”:
São algumas das “reações no Twitter”: https://twitter.com/search?vertical=default&q=angouleme&src=typd depois de o mais prestigioso festival de desenhos animados do mundo ter falhado em citar uma única mulher da longa lista de 30 pessoa nomeadas para o prémio.

Os organizadores reconheceram e anunciaram que iriam adicionar um número indeterminado de artistas do sexo feminino à lista, mas o incidente não passou despercebido e pôs em evidência o quão longe as indústrias criativas estão da igualdade entre géneros no mundo das artes.

Euronews analisou alguns dos maiores prémios internacionais atribuídos e confirmou que homens e mulheres parecem ser reconhecidos de forma diferente. Aqui está o que encontramos:

</ script>

<p>Aqui estão alguns dos fatos mais surpreendentes:
<ul>
    <li>1 mulher recebeu a Palma de Ouro em Cannes em 70 anos
    <li>1 mulher recebeu o prémio Laureus lifetime desporto desde que começou em 2000
    <li>2 mulheres galardoadas com o prémio Pritzker architechture em 37 anos
    <li>1 mulher premiada melhor realizadora nos Oscares desde 1929.


<p>Claro, os júris e decisores dos galardões não são os únicos culpados. Os homens do dinheiro da indústria (para a maioria, pelo menos, eles são homens), patrocinadores e recrutadores não conseguiram aproveitar qualquer coisa como o potencial de metade da população. Mas dando justo reconhecimento a essas mulheres, que fazem desafiar as probabilidades durante as suas carreiras, acabam por criar a  melhor maneira de atrair novos talentos.

<p><strong>A revolta das autoras

<p>A toda esta polémica, as guerreiras da BD ergueram as armas no blogue do Colectivo das Criadoras de BD Contra o Sexismo,<br />

http://bdegalite.org/ que reúne perto de duas centenas de artistas: “Manifestamo-nos contra esta discriminação evidente, esta negação total da nossa representatividade num meio que cada vez conta com mais mulheres.” Elas apelaram mesmo ao boicote ao festival, cujo grande prémio se recusarão a votar, através de uma mensagem no Twitter em que lançaram a palavra de ordem #WomenDoBD.

<p>https://mobile.twitter.com/hashtag/womendobd?f=tweets&amp;vertical=default&amp;src=hash
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Oscares 2016: Spike Lee e Jada Pinkett Smith boicotam cerimónia "branca"

Conheça a mulher que está a quebrar barreiras na liderança da indústria espacial na Azercosmos

Oitenta anos depois, a França assinala o direito de voto das mulheres