EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Grávidas em perigo por causa do vírus Zika na América Latina

Grávidas em perigo por causa do vírus Zika na América Latina
Direitos de autor 
De  João Peseiro Monteiro com AFP, LUSA, REUTERS
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O alerta sanitário por causa do vírus Zika na América Latina e Caraíbas estende-se agora a 18 países. O vírus é transmitido pela picada de um

PUBLICIDADE

O alerta sanitário por causa do vírus Zika na América Latina e Caraíbas estende-se agora a 18 países. O vírus é transmitido pela picada de um mosquito, como o dengue. O Zika só é grave para as mulheres grávidas porque pode ultrapassar a placenta durante a gestação e provocar microcefalia, uma malformação do cérebro que pode ser fatal para o bebé.

As autoridades sanitárias americanas estão preocupadas e recomendam às mulheres grávidas para evitarem os países afetados. Em Salvador e na Colômbia as recomendações são mais radicais: as autoridades apelam às mulheres para não engravidar nos próximos meses.

Guerra ao Aedes aegypti e suas doenças tem apoio de duas leis https://t.co/JZ5dmXHhrp#Dengue#ZikaViruspic.twitter.com/Dcq9RTUkiz

— Jornal O Dia (@jornalodia) 21 janeiro 2016

Até ao momento o país mais afetado é o Brasil, onde foram registados 3893 casos de microcefalia, 49 foram mortais. Em Portugal, a Direção-Geral de Saúde recomenda às mulheres grávidas que tenham viajado para um dos destinos em causa a consultar o médico assistente. O Instituto Ricardo Jorge confirmou quatro ocorrências com evolução favorável. Cabo Verde também está na lista dos países afetados.

Grávidas que regressem de países com vírus Zika devem consultar o médico https://t.co/oWM2Ov311v

— Público Portugal (@P__Portugal) 17 janeiro 2016

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Monkeypox: OMS apela à redução de parceiros sexuais entre homens

Varíola do Macaco: Bélgica impõe 21 dias de quarentena a infetados

UNICEF alerta para agravamento da saúde mental das crianças