Síria: Negociações em Genebra ameaçadas

Síria: Negociações em Genebra ameaçadas
De  João Peseiro Monteiro com AFP, Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A próxima ronda de negociações sobre a Síria está ameaçada. Os intervenientes no conflito não se entendem quanto aos participantes que deverão estar

PUBLICIDADE

A próxima ronda de negociações sobre a Síria está ameaçada. Os intervenientes no conflito não se entendem quanto aos participantes que deverão estar presentes em Genebra esta sexta-feira. Os grupos apoiados pela Arábia Saudita encontram-se em Riade e decidem esta quinta-feira se viajam para a Suíça. E a Turquia opõe-se à participação dos curdos, enquanto para a Rússia a sua presença é fundamental. Certo é que o regime de Bashar al-Assad vai estar representado.

Ainda que as conversações avancem, nos campos de refugiados, como no de Zaatari, na Jordânia, há muito tempo que se perdeu a esperança:

“Esta conferência vai ser igual às outras. Enquanto este regime não for removido não há solução para a Síria. O regime é um fiasco, forçou-nos a abandonar as casas. Tudo o que fez foi prender e matar gente. Agora, os aviões russos estão a atacar civis e não há nenhum país no mundo que esteja ao lado do povo sírio.”

“Estamos aqui há cinco anos. Durante este tempo tivemos duas conferências em Genebra. Agora temos a terceira. Entretanto não vimos resultados no terreno, não há tréguas e as crianças e os idosos continuam a ser vítimas de bombas. Ninguém é capaz de fazer nada, nem sequer um cessar-fogo, ninguém fez nada.”

Desde o início da sublevação contra o presidente Bashar al-Assad, em 2011, morreram mais de 250 mil pessoas e quase quatro milhões foram obrigadas procurar refúgio longe de casa.

Quién es quién en la guerra en Siria https://t.co/IyoTQHL9QT via el_pais</a></p>&mdash; João P. Monteiro (JPMonteiro) 27 janeiro 2016

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Agricultores continuam protestos na Europa sobre a política agrícola

Morreu Vítor Emanuel de Saboia, filho do último rei de Itália

Apoio à Ucrânia em foco no segundo dia do Fórum Mundial Económico