EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Ban Ki-moon reitera críticas à expansão dos colonatos israelitas

Ban Ki-moon reitera críticas à expansão dos colonatos israelitas
Direitos de autor 
De  Euronews com Lusa, Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O secretário-geral da ONU não retira as críticas a Israel. Pelo contrário. Ban Ki-moon repete que “os colonatos são ilegais, segundo a lei

PUBLICIDADE

O secretário-geral da ONU não retira as críticas a Israel. Pelo contrário. Ban Ki-moon repete que “os colonatos são ilegais, segundo a lei internacional, e ameaçam a solução de dois estados”.

A primeira declaração, na terça-feira, levou o governo hebraico a acusar Ban Ki-moon de apoiar o terrorismo:http://pt.euronews.com/2016/01/26/nethanyahu-acusa-ban-ki-moon-de-apoiar-o-terrorismo/.

Mas o secretário-geral da ONU retalia: “Deixem-me ser claro, nada justifica o terrorismo. Nada justifica o ataque a pessoas inocentes. Condeno esses atos. Se querem ver um fim à violência, as medidas de segurança não bastam. É preciso resolver a frustração e o fracasso subjacentes para encontrar uma solução política”.

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, considera que palavras de Ban Ki-moon fizeram a ONU perder a sua neutralidade.

Mas as criticas não são apenas da ONU. Também Washington questiona a política de Netanyahu.

Os palestinianos pedem uma ação internacional contra o novo projeto israelita: a expropriação de uma área de terrenos férteis na Cisjordânia para alargar os colonatos. No local, o governo hebraico quer construir 150 novas casas.

Nas terras ocupadas por Israel na Cisjordânia e em Jerusalém Leste vivem 550 mil colonos judaicos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Sirenes soam em Telavive pela primeira vez em meses, depois do Hamas ter disparado rockets

Ministro israelita das Comunicações ordena a devolução do equipamento de vídeo apreendido à AP

Netanyahu critica mandado de captura do TPI como "o novo antissemitismo"