EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Rússia nega bombardeamentos de civis na Síria

Rússia nega bombardeamentos de civis na Síria
Direitos de autor 
De  Nelson Pereira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Na véspera do novo encontro do Grupo Internacional de Apoio à Síria em Munique, que tentará conseguir um cessar-fogo e um acesso humanitário às

PUBLICIDADE

Na véspera do novo encontro do Grupo Internacional de Apoio à Síria em Munique, que tentará conseguir um cessar-fogo e um acesso humanitário às cidades sírias sitiadas, o ministro russo dos Negócios Estrangeiros Sergei Lavrov, informou que uma proposta apresentada por Moscovo está a ser estudado pelos Estados Unidos.

Segundo uma fonte oficial ocidental citada pela agência Reuters, Moscovo apresentou uma proposta de cessar fogo na Síria no dia 1 de março, mas que não existe um acordo sobre a proposta.

Entretanto, em Moscovo, a representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Federação da Rússia, Maria Zakharova, rejeitou as acusações do secretário de Estado norte-americano, John Kerry, que acusou Moscovo de bombardeamentos aleatórios na Síria que estão a matar crianças e mulheres em largos números.

“Consideramos absolutamente inaceitáveis as declarações públicas de representantes dos Estados Unidos, que acusaram a Rússia de usar bombas não dirigidas (dumb bombs) na Síria, que alegadamente mataram civis. É pura especulação, são declarações que os factos não confirmam”, disse Zakharova.

Apoiado pela aviação russa, o exército sírio reforçou na quarta-feira o controlo da província de Aleppo, no décimo dia de uma ofensiva que já fez 500 vítimas mortais e obrigou dezenas de milhares de civis a fugir.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Batalha por Aleppo: Balanço de mortos desde 1 de fevereiro já ultrapassa os 500

Síria: Primeiro-ministro turco considera "hipócritas" as críticas ao encerramento de fronteiras

Putin enaltece comércio bilateral no último dia da sua visita à China