Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Partido de Merkel quer impedir refugiados de tocar salário mínimo

Partido de Merkel quer impedir refugiados de tocar salário mínimo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Os democratas-cristãos alemães querem impedir os refugiados de aceder ao salário mínimo durante meio ano.

A controversa proposta apresentada pelo partido de Angela Merkel (CDU) e justificada com a necessidade de integrar os migrantes no mercado de trabalho é contestada pelo SPD, Partido Social Democrata, parceiro de coligação.

A introdução do salário mínimo na Alemanha foi o cavalo de batalha do SPD durante a campanha para as legislativas de 2013 e trabalhar no país por menos de 8,5 euros, por hora, passou a ser ilegal a partir de 2015.

Katarina Barley, secretária-geral do SPD diz que o partido não vai permitir cortes no salário mínimo para os refugiados, pessoas que já enfrentam dificuldades para encontrar trabalho.

Já a CDU diz que a medida poderia encorajar os empresários a contratar refugiados. A proposta vai ao encontro de uma das recomendações feitas pelo Fundo Monetário Internacional, há menos de um mês, e que incentivava ao tratamento diferenciado entre refugiados e cidadãos europeus.

Um refugiado sírio a viver na Alemanha diz ter conhecido pessoas simpáticas e que está a trabalhar não pelo dinheiro que recebe, mas para mostrar que os refugiados são bons profissionais nas mais diversas áreas. Acrescenta que é importante mudar a forma como as pessoas olham para os refugiados.

Em 2015, a Alemanha recebeu mais de um milhão de migrantes e o número de requerentes de asilo não para de aumentar. Mas a política de acolhimento está a dividir o poder político e a sociedade alemã.