Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Atentado de Ancara: Davutoglu exige YPG reconhecidas como grupo terrorista

Atentado de Ancara: Davutoglu exige YPG reconhecidas como grupo terrorista
Tamanho do texto Aa Aa

O primeiro-ministro turco revelou esta quinta-feira de manhã a identidade do principal suspeito pelo atentado de quarta-feira, em Ancara, que provocou 28 mortos e mais de 60 feridos. Ahmet Davutoglu garantiu ter provas fortes da responsabilidade direta das milícias YPG, o braço armado PYD, o principal partido do Curdistão sírio, na realização do ataque.

Na origem da explosão terá estado um presumível bombista suicida identificado como Salih Neccar, um cidadão sírio que, de acordo com o jornal turco pró-governo Yeni Safak, terá entrado no país como refugiado.

Ahmet Davutoglu aponta o dedo ao YPG mas também ao Partido de União Democrática (PYD). O chefe de Governo turco pediu aos aliados na luta contra o terrorismo que passem a ver ambos como grupos terroristas, à imagem do turco PKK (Partido dos Trabalhadores Curdos), e não apenas como pate da oposição ao Presidente da Síria, Bashar al-Assad.

“De onde vêm e como se organizam, eu não vos vou dizer, mas nós sabemos tudo e estamos dispostos a partilhar a informação com todos os países. Vou instruir o ministro dos Negócios Estrangeiros para que todos os documentos sejam distribuídos, com prioridade para os 5 membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU. Vamos provar a quem diz que o YPG não é uma organização terrorista que eles, de facto, o são. E depois esperamos receber a forte solidariedade de todos”, afirmou Ahmet Davutoglu, numa comunicação efetuada a partir do quartel-general, em Ancara, próximo ao local do atentado de quarta-feira.

Erdogan insiste na responsabilidade do PYD

O presidente da Turquia também abordou esta quinta-feira de manhã o atentado de Ancara. Recep Tayyp Erdogan atualizou para 14 o número de suspeitos detidos por alegada ligação ao ataque de quarta-feira (eram 9, de acordo com Davutoglu) e garantiu que o PYD também estará envolvido, embora o líder da principal força política do Curdistão sírio o negue.

A identificação do alegado bombista suicida, o sírio Salih Neccar, terá sido possível pelas impressões digitais registadas à entrada no país como refugiado. O carro utilizado no ataque — acescentou o jornal Yeni Safak— teria sido alugado há duas semanas em Izmir, no leste do país, a cerca de seiscentos quilómetros de Ancara.

Já esta quinta-feira de manhã, entretanto, uma coluna de veículos militares turcos foi atingida por uma outra explosão em Diarbakyr, no sul do país. Pelo menos seis pessoas morreram e uma outra ficou ferida neste novo ataque contra as forças de segurança turcas.