Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

China vai despedir 1,8 milhões de trabalhadores dos setores do aço e carvão

China vai despedir 1,8 milhões de trabalhadores dos setores do aço e carvão
Tamanho do texto Aa Aa

A China planeia despedir 1,8 milhões de trabalhadores nas indústrias do carvão e do aço, para fazer face ao excesso de capacidade dos dois setores.

A China é o maior produtor e consumidor mundial de carvão e aço. Por ano, produz mais aço do que Japão, Índia, Estados Unidos e Rússia juntos.

Nos próximos cinco anos, o país pretende reduzir a produção de carvão em 9% e a do aço entre 8,3 e 12,5%.

É a primeira vez que Pequim avança com números dos custos sociais de uma medida.

O ministro dos Recursos Humanos e Segurança Social, Yin Weimin, explica: “As indústrias do aço e do carvão são os pontos de partida para atenuar o excesso de capacidade e já temos as estatísticas iniciais. O setor do carvão deverá perder 1,3 milhões trabalhadores e o setor do aço 500 mil”.

Os dois setores empregam 12 milhões de pessoas na China.

Nos últimos anos, os preços das matérias-primas afundaram e muitas empresas sobrevivem graças às ajudas dos governos locais.

Além disso a segunda economia mundial teve no ano passado o ritmo de crescimento mais baixo em 25 anos (6,9%) e precisa de reformas.

Para atenuar os efeitos dos corte e evitar agitação social, o governo anunciou a criação de um fundo, com 100 mil milhões de yuan, o equivalente a quase 14 mil milhões de euros, para ajudar a recolocar os trabalhadores.

O governo está de olho no setor dos serviços que, em 2015, passou a representar 50,5% do PIB, à frente da indústria e da agricultura.

A redução da capacidade de produção industrial é uma questão que o governo chinês arrasta há vários anos