EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Europeus com baixos rendimentos enfrentam dificuldades com o custo da habitação

Uma mulher está numa rua ao lado de uma tenda para sem-abrigo, em Paris, França, terça-feira, 21 de dezembro de 2021.
Uma mulher está numa rua ao lado de uma tenda para sem-abrigo, em Paris, França, terça-feira, 21 de dezembro de 2021. Direitos de autor Francois Mori/Copyright 2021 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Francois Mori/Copyright 2021 The AP. All rights reserved
De  Doloresz Katanich
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Estudos do BCE mostram que mais de um quarto das famílias com baixos rendimentos prevêem atrasos nos pagamentos das suas hipotecas nos próximos meses.

PUBLICIDADE

De acordo com um estudo do Banco Central Europeu (BCE), um número crescente de europeus com baixos rendimentos prevê atrasar-se no pagamento das principais faturas nos próximos meses devido ao aumento das taxas de juro, das rendas e dos custos dos serviços públicos.

"A capacidade das famílias para fazer face aos custos relacionados com a habitação e com o pagamento das hipotecas é uma fonte de preocupação, especialmente para as famílias com rendimentos mais baixos", escreveram os investigadores num artigo do boletim económico do BCE que apresenta uma panorâmica dos "encargos com a habitação das famílias" nas 11 maiores economias da zona euro.

Desde que o BCE começou a aumentar a taxa de juro em julho de 2022, os custos globais com a habitação aumentaram 6% para os proprietários a título definitivo, mas 12% e 9% para os que têm hipotecas e arrendamentos, respetivamente, revelou o relatório de Omiros Kouvavas e Desislava Rusinova.

Em janeiro de 2024, as famílias pagavam uma média de 765 euros por mês em custos totais relacionados com a habitação, incluindo serviços públicos (como gás, eletricidade e água), manutenção da casa e custos de arrendamento ou hipoteca, segundo o relatório.

As despesas com a habitação absorvem cerca de 40% do rendimento dos inquilinos, 35% dos que têm hipotecas e 20% dos proprietários a título definitivo. Entretanto, as pessoas com rendimentos mais baixos que têm de arrendar as suas casas enfrentam custos que representam cerca de metade do seu salário mensal.

Os que têm uma hipoteca são os que enfrentam mais dificuldades

Das três categorias principais, as pessoas que têm uma hipoteca são as que enfrentam os custos mais elevados, devido ao aumento das taxas de juro, com uma prestação mensal média superior a 1100 euros.

A subida das taxas de juro também deixou a sua marca no mercado de arrendamento. O aumento dos custos dos empréstimos travou os novos investimentos, enquanto o mercado de arrendamento, que já enfrentava uma escassez de habitações disponíveis, viu os seus preços subirem em conformidade.

De acordo com o BCE, os inquilinos estão a pagar, em média, mais de 800 euros nos 11 países analisados, enquanto os proprietários a título definitivo estão a aproximar-se de um custo de 500 euros por mês, principalmente devido ao aumento dos custos de manutenção das habitações. Os custos dos serviços de utilidade pública diminuíram recentemente.

De entre os 11 países, os custos da habitação parecem ser os mais elevados na Irlanda, com cerca de 900 euros por mês, excluindo as hipotecas, mas mais de 1 200 euros se o pagamento da hipoteca for incluído.

A fatura da habitação é a segunda e terceira mais elevada na Alemanha e na Áustria, rondando os 750 euros (900 euros com hipoteca). Os habitantes da Grécia e de Portugal são os que têm as despesas de habitação mais baixas dos 11 países.

Quando as despesas com a habitação são analisadas como um rácio do rendimento de um agregado familiar, a Áustria parece ser o país mais dispendioso, com 29% (33% se as hipotecas forem incluídas nos cálculos) do rendimento a ser aplicado nessas despesas.

Como está a aumentar o risco de atrasos de pagamento?

O aumento do rendimento das famílias compensou largamente o aumento dos custos da habitação nos últimos anos, embora tenha havido sempre algumas famílias com baixos rendimentos (entre 5% e 10% dos 50% com rendimentos mais baixos) que se atrasaram nos pagamentos nos meses anteriores. No entanto, o índice prospetivo do BCE sugere agora que as suas expectativas para os próximos meses se agravaram.

Late payment over time
Late payment over timeECB/Euronews

"A proporção de famílias que prevêem efetuar um pagamento em atraso nos próximos três meses aumentou substancialmente entre as famílias com rendimentos mais baixos", refere o relatório.

O rácio de pessoas com baixos rendimentos que prevêem atrasos nos pagamentos de serviços públicos ou de rendas nos próximos três meses aumentou de 15% para 20% e quase duplicou para 30% no caso de atrasos nos pagamentos de hipotecas.

Embora a inflação esteja a diminuir na zona euro, são grandes as expectativas de que o BCE comece a reduzir a sua taxa de juro historicamente elevada em junho, o que trará algum alívio ao mercado imobiliário, permitindo que os investimentos aumentem e que surja uma maior seleção de imóveis, permitindo que os custos das hipotecas e das rendas acabem por baixar.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Novo indício de que o BCE poderá vir a reduzir as taxas de juro na reunião de junho

O que está em alta e o que não está para as viagens e o turismo este ano?

Comissário europeu para a Economia sem arrependimentos apesar da reação negativa ao Pacto Ecológico