EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Jornalistas palestinianos recebem Prémio Liberdade de Imprensa da UNESCO

Elemento da imprensa na cobertura da guerra em Gaza
Elemento da imprensa na cobertura da guerra em Gaza Direitos de autor Hatem Ali/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Hatem Ali/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

UNESCO destaca que, em tempos recentes, nunca a profissão pagou um preço tão pesado num período tão curto de tempo. Cerca de 100 jornalistas e profissionais dos media foram mortos nos primeiros sete meses de guerra, a maioria palestinianos, segundo o Comité para a Proteção dos Jornalistas.

PUBLICIDADE

Os jornalistas palestinianos que têm estado a cobrir a guerra na Faixa de Gaza foram agraciados com o Prémio Mundial da Liberdade de Imprensa UNESCO/Guillermo Cano, esta quinta-feira, numa cerimónia em Santiago, no Chile. 

A distinção foi atribuída por recomendação  de um júri internacional de profissionais da comunicação social.

Nasser Abu Baker, presidente do Sindicato dos Jornalistas Palestinianos e vice-presidente da Federação Internacional de Jornalistas, recebeu o prémio da UNESCO em nome dos seus colegas de Gaza.

Pelo menos 97 trabalhadores dos meios de comunicação social, na sua grande maioria palestinianos, foram mortos nos primeiros sete meses de guerra em Gaza, segundo o Comité para a Proteção dos Jornalistas (CPJ). É o período mais mortífero para os jornalistas desde que o CPJ começou a recolher dados em 1992.

O Gabinete dos Meios de Comunicação Social de Gaza estima em mais de 140 o número de vítimas mortais, o que corresponde a uma média de cinco jornalistas mortos por semana desde 7 de outubro.

"Nunca, num conflito recente, a profissão teve de pagar um preço tão elevado num período de tempo muito curto", afirmou Tawfik Jelassi, Diretor-Geral Adjunto da UNESCO para a Comunicação e Informação.

Forte ameaça para jornalistas que cobrem o clima

Durante o evento na capital chilena, a UNESCO divulgou também um relatório segundo o qual 70% dos jornalistas que cobrem questões climáticas foram atacados ou ameaçados pelo seu trabalho. 

De acordo com o relatório, pelo menos 749 jornalistas ou meios de comunicação social que divulgam informações sobre o ambiente foram atacados nos últimos 15 anos, tendo a desinformação em linha aumentado drasticamente neste período.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Guerra na Faixa de Gaza é um conflito mortal para jornalistas

France Press acusa Israel de atacar deliberadamente jornalistas

Repórteres Sem Fronteiras dizem que jornalista da Reuters morreu em ataque "deliberado"