EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Repórteres Sem Fronteiras dizem que jornalista da Reuters morreu em ataque "deliberado"

Jornalista morto, no Líbano
Jornalista morto, no Líbano Direitos de autor Hassan Ammar/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Hassan Ammar/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Nara Madeira com AFP, AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Repórteres Sem Fronteiras dizem que jornalista da Reuters, Issam Abdallah, morreu em ataque "deliberado", a partir da fronteira de Israel

PUBLICIDADE

Os Repórteres Sem Fronteiras (RSF) dizem que foi um ataque "deliberado" o que vitimou o jornalista da Reuters Issam Abdallah e feriu seis outros, na fronteira entre o Líbano e Israel. Repórteres claramente identificados como tal e visíveis a olho nu. 

A organização sem fins lucrativos fez uma reconstituição do que aconteceu e concluiu que - e como explicava Jonathan Dagher, responsável do gabinete dos RSF para o Médio Oriente - "o local onde se encontravam os jornalistas, em Alma Shaab, foi explicitamente alvo não de um, mas de dois ataques, com 37/38 segundos de intervalo, vindos de leste, na direção da fronteira israelita. Foi um ataque direcionado contra o sítio onde os jornalistas se encontravam".

O grupo de jornalistas - da AFP, Al Jazeera e Reuters - estava a filmar a tensão entre o Exército de Israel e o Hezbollah quando tudo aconteceu. A equipa da Al Jazeera filmou um helicóptero israelita a sobrevoar o local. Carmen Joukhadar, a correspondente deste meio de comunicação, que testemunhou e ficou ferida na segunda explosão, explicava que tinham sido já alvo de outro ataque.

Dissemos, claramente, que fomos atacados por dois mísseis israelitas, nesse dia. Isso é claro para nós, não foi a primeira vez. A 09 de outubro também fomos atacados por um rocket israelita.
Carmen Joukhadar
Correspondente da Al Jazeera

No mesmo dia, o exército israelita afirmava ter disparado mas contra posições do Hezbollah. A organização não-governamental não concorda. Jonathan Dagher afirmava que "atacar jornalistas é um crime de guerra" e que "não há justificação para atacar jornalistas que estão a cobrir uma zona de conflito".

Os Repórteres Sem Fronteiras contabilizam, pelo menos, 12 jornalistas mortos desde 07 de outubro, a maioria em Gaza, e falam num "massacre". O sindicato dos jornalistas palestinianos contabilizou 33 repórteres assassinados.

Outras fontes • Repórteres Sem Fronteiras

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ser criança em tempo de guerra, crianças palestinianas sofrem traumas para a vida

Manifestações em Israel para um cessar-fogo em Gaza e renúncia do primeiro-ministro

Fome em Gaza: Palestinianos aguardam desesperadamente pelo resultado das conversações no Cairo