Bélgica: plano de habitação acessível torna mais fácil comprar depois de arrendar

Anúncio de promotor imobiliário
Anúncio de promotor imobiliário Direitos de autor AP Photo
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Após período de arrendamento, inquilino tem a hipótese de ficar como proprietário graças a um empréstimo que lhe é concedido. Perante o preço elevado das rendas, não apenas grandes cidades, o alojamento partilhado é uma opção cada vez mais popular na Bélgica para jovens profissionais.

PUBLICIDADE

Comprar ou alugar? O eterno debate.

Na Bélgica, os preços elevados das casas e a dificuldade em obter um empréstimo  tornam impossível para muitos ter casa própria. 

Mas isso pode mudar com o plano de habitação acessível que contempla a possibilidade de comprar depois de arrendar.

"Alguém pode arrendar esta casa ou apartamento durante 5 a 7 anos a um preço fixo, em condições estabelecidas à partida, e depois, ao fim de 5 a 7 anos, poderá, de facto, desenvolver um esforço próprio e tornar-se proprietário através de um empréstimo que lhe será oferecido", afirma Régis Ortmans, Diretor Regional da Matexi para Bruxelas, Valónia e o Grão-Ducado do Luxemburgo.

A habitação acessível na Bélgica representa 6%, ao passo que em França é de 14% e no Reino Unido se situa nos 17%.

"Se eu decidir comprar o imóvel, bem, durante quatro anos, metade da renda é considerada recuperável, por isso é um adiantamento, pelo que, de facto, ao pagar a minha renda, estou a poupar metade da renda para a futura compra. E isso é uma grande inovação quando se pensa em ser proprietário", explica Laurent Loncke, diretor da banca de retalho do BNP Paribas Fortis.

"Co-living" dispara na Bélgica

Na Bélgica, até o arrendamento se tornou uma missão impossível, não só para os mais jovens ou nas grandes cidades.

Para os jovens no mercado de trabalho, o alojamento partilhado continua a ser a opção preferida.

Alguns fazem-no por opção, ao passo que outros são forçados a seguir esta via.

A nova tendência na habitação é o co-living. Trata-se frequentemente de grandes casas completamente renovadas por empresas privadas. Esta forma de vida partilhada de luxo é cada vez mais popular entre os jovens trabalhadores e expatriados com idades compreendidas entre os 23 e os 35 anos.

Está também em voga uma forma de partilha de casa entre gerações: pessoas mais velhas arrendam um quarto barato a estudantes para fazer face à solidão. É o caso de Cathy, que abriu as portas da sua casa em Bruxelas a Nais.

"Perdi o meu marido há um ano e meio e descobri que estar em casa sozinha não me agradava nada. Queria ter a presença de alguém, ter um pouco de juventude, ter alguma vida", conta Cathy Brouwer, proprietária que partilha a casa em Bruxelas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

As razões do sucesso da habitação social na Áustria

Milhares protestam em Portugal pelo direito à habitação

Crise da habitação no topo do debate para eleiçõe nos Países Baixos