EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Os europeus estão a poupar o suficiente para a reforma? Fizemos as contas

Quartos, níquel, centenários e centenários são realizados numa taça quinta-feira, 31 de março de 2022, em Tigard, Ore.
Quartos, níquel, centenários e centenários são realizados numa taça quinta-feira, 31 de março de 2022, em Tigard, Ore. Direitos de autor Jenny Kane/AP
Direitos de autor Jenny Kane/AP
De  Indrabati Lahiri
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Mais de um terço dos europeus ainda não poupa o suficiente para a reforma, com cerca de 40% a afirmar que a atual conjuntura económica reduziu as respetivas contribuições para este fim.

PUBLICIDADE

À medida que a crise do custo de vida continua a assolar a maioria dos países europeus, muitos trabalhadores viram as suas poupanças e pensões, incluindo as poupanças para a reforma, sofrerem uma redução. Isto também levou a que muitos fossem forçados a aumentar a idade da reforma, a fim de colmatarem a lacuna e poderem sobreviver numa economia cada vez mais incerta.

Um novo estudo do AgeCalculator.com, que utiliza dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) recolhidos entre 2000 e 2020, mostra que as idades de reforma em vários países europeus aumentaram significativamente durante este período.

A Bulgária é o primeiro país, com um aumento de 13,26%, tendo a idade da reforma, tanto para os homens como para as mulheres, passado de 56 anos em 2000 para 63 anos em 2020. A Estónia vem em segundo lugar, com um aumento de 11,93%, passando de 58 anos em 2000 para 65 anos em 2020. A Letónia vem logo a seguir, passando de 59 em 2000 para 65 em 2020.

Outros países da Europa Central e de Leste, como a Hungria, a Roménia e a Eslovénia, também aparecem mais abaixo na lista. No entanto, os países da Europa Ocidental também foram significativamente atingidos, com Portugal a registar um aumento de 7,92% na idade da reforma e os Países Baixos, um aumento de 7,65%.

Os europeus de leste reformam-se mais tarde

Um porta-voz do AgeCalculator.com afirmou num comunicado de imprensa: "A tendência para o aumento da idade da reforma em muitos países reflete uma complexa interação de vários fatores. Alguns deles incluem o prolongamento da esperança de vida das pessoas, que aumentou graças aos avanços da medicina, as pressões económicas que se traduzem no facto de as pessoas não conseguirem reformar-se confortavelmente devido ao aumento do custo de vida e às alterações demográficas, como a diminuição das taxas de natalidade e o envelhecimento da população.

"É interessante ver como os dados mostram os países europeus entre os que têm uma idade de reforma cada vez maior, com especial destaque para os países da Europa de Leste, como se pode ver no top 10.

"O primeiro país da Europa Ocidental é Portugal, seguido dos Países Baixos, em oitavo lugar, e temos de olhar ainda mais para baixo, em 15º lugar, para encontrar outro país ocidental, a Itália."

À medida que a idade da reforma aumenta, este facto também lança mais luz sobre outra questão fundamental: quanto é que os europeus têm em poupanças para a reforma?

Os europeus estão a poupar o suficiente para a reforma?

São vários os fatores que influenciam o montante das poupanças para a reforma dos trabalhadores europeus, tais como o tipo de emprego que têm, as despesas, o país onde vivem, se o seu local de trabalho oferece um plano de pensões profissional, bem como se também têm um plano de pensões pessoal.

Em 2017, o Schroders Global Investor Study, que inquiriu cerca de 22 000 pessoas em todo o mundo, descobriu que mesmo os investidores estabelecidos não estavam a poupar o suficiente para a reforma, com os europeus no fundo da lista.

Na altura, os europeus poupavam apenas 9,9% dos seus salários para a reforma, enquanto os asiáticos poupavam 13% e os investidores das Américas poupavam 12,5% dos seus salários para a reforma.

Lesley-Ann Morgan, responsável pela reforma na Schroders, afirmou no seu site: "É sabido que as pessoas não estão a poupar o suficiente para a reforma, mas este estudo mostra que mesmo aqueles que já são investidores estabelecidos não estão a poupar dinheiro suficiente.

Há também uma forte mensagem daqueles que já pouparam: "Gostava de ter poupado mais".

E acrescentou: "O estudo mostra que os investidores a nível mundial estão a poupar apenas 11,4% do seu rendimento, mas dizem que querem reformar-se aos 60 anos. A nossa análise mostra que uma pessoa que tenha começado a poupar para a reforma aos 30 anos precisará provavelmente de poupar 15% ou mais por ano se quiser reformar-se com 50% do seu salário".

Em 2023, as coisas continuam a parecer um pouco sombrias para os reformados europeus, com mais de um terço dos europeus a não poupar para a reforma, de acordo com um inquérito realizado pela Insurance Europe junto de 16 000 pessoas em 15 países europeus. Esta percentagem corresponde a 44% das mulheres e 34% dos homens inquiridos.

Além disso, 40% dos inquiridos revelaram também que o atual clima económico, como o aumento da inflação, o custo de vida e a incerteza económica, reduziu o montante que colocavam nas suas poupanças para a reforma.

As respostas variaram consoante o sexo, a idade, o estado civil, o emprego e o nível de educação.Cerca de 35% dos que afirmaram não poupar eram trabalhadores independentes, 31% trabalhavam no setor privado e 32% no setor público. Os restantes 64% estavam desempregados.

Nível de poupança depende dos níveis de educação anteriores

51% dos inquiridos que não poupam afirmaram ter um nível de instrução baixo, enquanto 43% tinham um nível de instrução médio e 37% um nível de instrução elevado.

PUBLICIDADE

Cerca de 45% dos solteiros não poupam, enquanto 32% dos casados não poupam. O mesmo acontece com 41% dos viúvos e 45% dos inquiridos divorciados.

Nicolas Jeanmart, diretor de seguros pessoais e gerais da Insurance Europe, declarou no seu site: "Precisamos que os nossos sistemas de pensões se adaptem ao objetivo e ao futuro, garantindo que todos tenham uma boa qualidade de vida na reforma.

"A realidade é que, tendo em conta a complexidade do panorama atual, as pessoas terão de poupar mais para a reforma, mas nem todos têm dinheiro suficiente para o fazer.

A indústria está empenhada em desempenhar o seu papel no aumento da proteção. Os decisores políticos têm também um papel fundamental a desempenhar. As nossas recomendações políticas, baseadas nos resultados do inquérito, identificam alguns caminhos a seguir."

De quanto é que os europeus precisam realmente para se reformarem?

De acordo com o GoBankingRates, as poupanças para a reforma na Europa do Norte rondam, em média, os 100 000 euros, ao passo que as pessoas na Europa Ocidental, incluindo o Reino Unido, tendem a poupar entre 50 000 e 150 000 euros. No Sul da Europa, o valor é muito inferior, com uma média de 20 000 a 70 000 euros poupados para a reforma.

PUBLICIDADE

O montante necessário para se reformar na Europa varia significativamente de país para país, sendo os países da Europa Ocidental bastante mais caros do que os da Europa de Leste.

Alguns europeus podem planear abandonar totalmente o continente e instalar-se noutras partes do mundo, como o Sudeste Asiático e as Caraíbas, onde o seu rendimento de reforma poupado pode ir muito mais longe.

No entanto, para os que tencionam ficar em casa durante a reforma, Loretta Kilday, porta-voz da Debt Consolidation Care, estima que um mínimo de 500 000 a 1 milhão de dólares (467 000 a 934 415 euros) deve ser suficiente para viver confortavelmente na reforma.

Segundo o Yahoo Finance, ela afirma: "Os países mais caros, como a Suíça ou os países escandinavos, podem necessitar de mais de 1 milhão de dólares, ao passo que Portugal, Espanha ou a Europa Central e de Leste podem ser viáveis com 500.000 a 750.000 dólares (536 000 a 804 000 euros).

"Manter um fundo de emergência de seis a 12 meses do total das despesas de subsistência, para o caso de contas médicas inesperadas, necessidades familiares, etc. Manter este fundo muito líquido e acessível".

PUBLICIDADE

"É fundamental ter poupanças com liquidez suficiente para emergências e despesas inesperadas.Os fundos discricionários para viagens e lazer são óptimos, mas secundários em relação ao essencial."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Sondagem Euronews: inflação é a grande preocupação dos europeus, portugueses são os mais alarmados

Solteiros são os mais afetados por uma crise de custo de vida

Inflação na Europa: Quais são os países com as taxas de inflação mais elevadas e mais baixas?