EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Qual é o nível de literacia financeira dos europeus? Não é alto - mas quem sabe mais?

Matemática-livros em exposição na feira de educação Didacta em Colónia, a maior do género na Europa
Matemática-livros em exposição na feira de educação Didacta em Colónia, a maior do género na Europa Direitos de autor HERMANN J. KNIPPERTZ/AP
Direitos de autor HERMANN J. KNIPPERTZ/AP
De  Servet Yanatma
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os cidadãos da UE não são um exemplo quando se trata de literacia financeira. Quase metade não tem uma compreensão dos conceitos financeiros básicos, incluindo a inflação.

PUBLICIDADE

Um terço dos europeus não percebe como funciona a inflação, segundo um inquérito do Eurobarómetro. O mesmo inquérito revelou que apenas 18% dos cidadãos da UE conseguiram mostrar um elevado nível de literatura financeira.

Segundo o inquérito, 65% dos cidadãos da UE têm consciência de que, em tempos de inflação positiva, o poder de compra do seu dinheiro diminui, o que significa que podem comprar menos do que antes com a mesma quantidade de dinheiro.

A falta de conhecimento sobre a inflação pode ser vista como preocupante

Em outubro de 2022, a inflação homóloga na UE atingiu níveis nunca antes vistos nas quatro décadas anteriores em 11,5%. Enquanto o aumento do custo de vida era a preocupação mais premente para 93% dos europeus naquela altura, aparentemente um terço dos cidadãos da UE não sabe como a inflação afeta as suas vidas.

O inquérito do Eurobarómetro, realizado em março e abril de 2023, incluiu questões sobre o conhecimento financeiro e o comportamento para medir a literacia financeira em todos os países da UE.

Apenas cerca de um quarto dos inquiridos (26%) na UE responderam corretamente a pelo menos quatro das cinco questões sobre conhecimento financeiro. Metade respondeu apenas duas ou três perguntas corretamente, com outro quarto a encontrar questões particularmente desafiadoras.

Os melhores desempenhos foram da Holanda (43%), Dinamarca (40%), Finlândia (40%) e Estónia (39%) onde cerca de quatro em cada 10 inquiridos apresentam um elevado nível de conhecimento financeiro.

A Roménia e Portugal reportaram as piores pontuações em níveis elevados de conhecimento financeiro em 13% e 16%, respetivamente.

Entre as quatro grandes economias da UE, apenas a Alemanha teve uma pontuação superior à média da UE neste indicador. Embora as pontuações da França e da Itália tenham ficado ligeiramente abaixo da média da UE, este número foi visivelmente baixo em Espanha, com 19%.

Em sentido contrário, a proporção com uma pontuação baixa foi mais elevada em Chipre e Roménia (ambos 30%), seguindo-se a Grécia (29%) e Portugal (28%).

Antes de olhar para os detalhes, gostaria de testar os seus conhecimentos financeiros? Eis as perguntas do Eurobarómetro!

O inquérito revelou que 35% não perceberam como a inflação reduz o seu poder de compra. A questão era:

- “Vai receber um presente de [1.000 euros] num ano e, ao longo desse ano, a inflação fica nos 2%. Daqui a um ano, com os [€1.000], poderá comprar..."?

Na UE, 22% disseram que poderiam comprar o mesmo valor, e 7% responderam que poderiam comprar mais do que hoje. Seis por cento dos participantes não tiveram resposta.

A proporção que respondeu corretamente a esta pergunta (“Menos do que poderia comprar hoje”) ficou abaixo dos 60% em Chipre, Portugal, Grécia, Roménia e Itália, enquanto a Finlândia e a Estónia tiveram a quota mais elevada, com 84%.

Outra questão era sobre a compreensão dos juros simples e compostos:

“Imaginem que alguém punha 100 euros numa conta poupança com uma taxa de juro garantida de 2% ao ano. Não fazem mais pagamentos nesta conta e não levantam nenhum dinheiro. Quanto ficaria na conta no final de cinco anos, uma vez feito o pagamento dos juros?”

O número de inquiridos na UE que responderam corretamente a esta questão (“Mais de [110€]”) foi de 45%. Surpreendentemente, 19% referiram que “menos de [110€]” estaria na conta.

Quanto ao entendimento do valor da diversificação no investimento, 56% responderam corretamente quando lhes foi pedido que completassem esta frase: "É provável que seja um investimento num vasto leque de “ações da empresa”.

A resposta foi “menos arriscada que um investimento numa única ação”.

PUBLICIDADE

A parte do comportamento financeiro incluiu as seguintes três questões com respostas de “concordo ou discordo”, que não eram desafiadoras.

● Antes de comprar algo, considero cuidadosamente se posso pagar

● Acompanho e monitorizo as minhas despesas

● Estabeleci objetivos financeiros de longo prazo e esforço-me para alcançá-los

A literacia financeira global: a mais alta dos Países Baixos, a mais baixa da Finlândia

A literacia financeira global baseia-se no conhecimento financeiro e nas pontuações de comportamento. Em média, em toda a UE, 18% dos inquiridos têm uma pontuação elevada para o seu nível global de literacia financeira, 64% têm uma pontuação média e 18% uma pontuação baixa.

PUBLICIDADE

A proporção com nota elevada variou entre 11% em Portugal e Letónia a 27% na Dinamarca, Eslovénia e Suécia, e 28% na Holanda.

Pelo contrário, a proporção com uma pontuação baixa foi a mais elevada na Finlândia (27%), Letónia (24%), Bélgica (22%) e Espanha (22%).

O que há de errado com a Finlândia?

O caso da Finlândia é interessante. A Finlândia teve quase a melhor pontuação em conhecimento financeiro, mas apresentou a pior pontuação no comportamento financeiro. Isso afetou a sua pontuação geral de literacia financeira.

Para ilustrar, quando os participantes foram questionados se acompanham e monitorizam as suas despesas, apenas 16% na Finlândia responderam que “concordam completamente”. Esta foi uma pontuação atípica, uma vez que a média da UE era de 49%.

Os cidadãos finlandeses também tiveram pontuações muito baixas noutras questões relativas ao comportamento financeiro.

PUBLICIDADE

A literacia varia consoante o género, a educação e a idade

Olhando para os resultados a nível sociodemográfico, a proporção com uma pontuação elevada na literacia financeira global é maior entre:

● homens (24% em comparação com 13% das mulheres)

● inquiridos com idade superior a 39 anos (20%, em comparação com 13% dos 18 aos 24 anos e 16% dos 25 aos 39 anos)

● inquiridos com um nível de escolaridade elevado (26%, em comparação com 16% dos com nível médio e 12% para os com baixo nível de escolaridade).

A UE está a trabalhar para garantir que os seus cidadãos tenham os conhecimentos e as competências de que necessitam para tomar boas decisões financeiras.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Qual é o país mais instruído da Europa?

O que está em alta e o que não está para as viagens e o turismo este ano?

Comissário europeu para a Economia sem arrependimentos apesar da reação negativa ao Pacto Ecológico