EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Presidente chinês visita França, Sérvia e Hungria. Quais são os riscos económicos e estratégicos?

O primeiro-ministro sérvio, Aleksandar Vucic, à esquerda, e o presidente chinês, Xi Jinping, posam para os fotógrafos enquanto se reúnem em Pequim terça-feira, 16 de maio, terça-feira, 16 de maio de 2017.
O primeiro-ministro sérvio, Aleksandar Vucic, à esquerda, e o presidente chinês, Xi Jinping, posam para os fotógrafos enquanto se reúnem em Pequim terça-feira, 16 de maio, terça-feira, 16 de maio de 2017. Direitos de autor Damir Sagolj/DAMIR SAGOLJ
Direitos de autor Damir Sagolj/DAMIR SAGOLJ
De  Amandine Hess
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

Quais são os riscos desta viagem altamente política?

PUBLICIDADE

O presidente chinês, Xi Jinping, fará uma visita de Estado à Europa numa altura em que as relações sino-europeias estão longe de ser perfeitas.

Depois de uma primeira paragem em França nos dias 6 e 7 de maio no âmbito do 60º aniversário do estabelecimento das relações diplomáticas franco-chinesas, Xi Jinping viajará para a Sérvia e depois para a Hungria.

Quais são os riscos económicos e estratégicos desta viagem altamente política?

Guerra na Ucrânia

Os presidentes chinês e francês vão primeiro abordar a questão da guerra na Ucrânia.

“Sendo a China um dos principais parceiros da Rússia”, o Presidente francês tentará encorajar Pequim “a usar as alavancas que tem sobre Moscovo” para “contribuir para uma resolução deste conflito”, disse o Palácio do Eliseu.

Embora as autoridades chinesas afirmem ser oficialmente neutras neste conflito e apelem à paz, nunca condenaram a invasão russa em grande escala da Ucrânia.

De resto, a explosão do comércio entre a Rússia e a China em 2023 ajudou a mitigar o impacto das sanções económicas contra Moscovo.

“A principal preocupação é obviamente todo o apoio que possa ser dado à China em termos de tecnologias de dupla utilização e que possa contribuir para a renovação de todo o equipamento militar russo”, diz Elvire Fabry, investigador sénior do Instituto Jacques Delors responsável pela geopolítica comercial.

Emmanuel Macron e a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, vão enfrentar o desafio de enviar “um sinal claro” de que a Europa “está pronta para sancionar mais empresas chinesas pelo seu apoio crítico ao esforço de guerra de Moscovo”, afirma Janka Oertel, diretora do Programa Ásia do Conselho Europeu de Relações Exteriores (ECFR).

Presidente francês Emmanuel Macron, à direita, recebe o seu homólogo chinês Xi Jinping antes de uma reunião no Palácio do Eliseu, em Paris, em 2019
Presidente francês Emmanuel Macron, à direita, recebe o seu homólogo chinês Xi Jinping antes de uma reunião no Palácio do Eliseu, em Paris, em 2019Thibault Camus/Copyright 2019 The AP. All rights reserved

Política comercial

O debate sobre questões de política comercial também promete ser forte.

O objetivo do presidente francês, Emmanuel Macron, é melhorar o acesso das empresas francesas e europeias ao mercado chinês e obter “condições competitivas” mais justas, adiantou o Palácio do Eliseu.

“Os acordos ainda estão a ser negociados”, refere a presidência francesa.

Depois de ter atingido um recorde de 396 mil milhões de euros em 2022, o défice comercial da UE com a China caiu 27% em 2023 para 291 mil milhões de euros, segundo o Eurostat.

“As preocupações europeias estão muito focadas no desequilíbrio que está a criar no setor das tecnologias verdes”, afirma Elvire Fabry, investigador sénior do Instituto Jacques Delors.

Assim, o excesso de capacidade de produção industrial de tecnologias verdes chinesas não absorvidas pelo consumo chinês expôs a indústria europeia a mais competitividade, segundo o investigador.

A Comissão Europeia lançou várias investigações sobre subsídios chineses a carros elétricos e painéis solares suspeitos de distorcer a concorrência.

No entanto, as duas principais mensagens de Macron sobre o apoio chinês às capacidades militares da Rússia e práticas chinesas suspeitas de distorcer o mercado provavelmente não terão impacto no comportamento de Pequim, diz Oertel.

“Xi não tem a missão de reparar laços, porque do seu ponto de vista está tudo bem. Defende que não há sobrecapacidades e que o que acontece entre a China e a Rússia é apenas um comércio normal”, comenta a diretora do Programa Ásia do ECFR.

PUBLICIDADE

Sérvia e Hungria

O presidente chinês vai continuar a sua viagem na Hungria e na Sérvia, considerada próximo de Moscovo.

“Com estas duas visitas a estas duas capitais europeias, Xi Jinping demonstra que está a trabalhar ativamente para estabelecer um eixo autoritário na política internacional”, acusa Reinhard Bütikofer, eurodeputado alemão.

Os dois países são também considerados como a porta de entrada para a Iniciativa do Cinturão e Rota na Europa.

Um trabalhador no local da reconstrução de uma linha ferroviária entre Budapeste e Belgrado, um projeto financiado principalmente pela China.
Um trabalhador no local da reconstrução de uma linha ferroviária entre Budapeste e Belgrado, um projeto financiado principalmente pela China.Darko Vojinovic/Copyright 2019 The AP. All rights reserved.

O projeto de reconstrução de uma linha ferroviária entre Budapeste e Belgrado, financiada principalmente pela China, para o transporte de mercadorias do porto grego do Pireu, sob bandeira chinesa, para a Europa é um projeto emblemático destes investimentos chineses.

Na Hungria, a proliferação de fábricas chinesas de baterias de veículos elétricos em todo o país demonstra os laços económicos entre Budapeste e Pequim.

PUBLICIDADE
Construção de uma fábrica de baterias para veículos eléctricos da empresa chinesa CATL em Debrecen, Hungria, na terça-feira, 23 de maio de 2023.
Construção de uma fábrica de baterias para veículos eléctricos da empresa chinesa CATL em Debrecen, Hungria, na terça-feira, 23 de maio de 2023.Denes Erdos/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.

A visita também coincide com o 25º aniversário do bombardeamento da NATO à embaixada chinesa em Belgrado em 1999. Esta é a oportunidade de Xi Jinping “criar imagens cujo público não está na Europa, mas principalmente no sul global”, como um alegado “exagero da NATO”, “uso seletivo dos EUA do direito internacional” ou “belicismo” que contrastariam com o “compromisso da China com a paz, o diálogo e a diplomacia”, analisa Janka Oertel.

Este será um programa bastante preenchido para a primeira visita de Estado europeia de Xi Jinping desde a pandemia da Covid-19.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Fabricantes europeus de automóveis elétricos lutam para recuperar o atraso em relação à China

UE lança inquérito sobre aquisição de dispositivos médicos produzidos na China

Porque é que os jovens alemães são tão facilmente seduzidos pelas ideias da AfD?