EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Tusk apela aos potenciais imigrantes económicos ilegais para que "não venham para a Europa"

Tusk apela aos potenciais imigrantes económicos ilegais para que "não venham para a Europa"
Direitos de autor 
De  Dulce Dias com LUSA, EFE, AFP. REUTERS, AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O presidente do Conselho Europeu realiza um périplo pela chamada Rota dos Balcãs e constata que a situação dos migrantes é "verdadeiramente dramática"

PUBLICIDADE

A situação dos migrantes na chamada Rota dos Balcãs é “verdadeiramente dramática”. Constatação de Donald Tusk. O presidente do Conselho Europeu efetua um périplo pela Áustria, Eslovénia, Croácia, Macedónia e Grécia.

Antes de partir para a Turquia e a Sérvia, encontrou-se com Alexis Tsipras, em Atenas, de onde lançou um apelo:

“Quero apelar as todos os potenciais imigrantes económicos ilegais, de onde quer que sejam, para que não venham para a Europa. Não acreditem nos passadores. Não arrisquem a vossa vida nem o vosso dinheiro: não vale a pena.”

Appeal to potential illegal economic migrants: Don't come to Europe. Don't believe smugglers. No European country will be a transit country

— Donald Tusk (@eucopresident) 3 mars 2016

Com a vizinha Macedónia a encerrar a fronteira, entre 7000 e 10000 esperam, em Idomeni, para continuarem rumo ao norte, o que faz da Grécia um dos países mais atingidos pela crise migratória.

Tanto mais que vários países europeus recusam participar no mecanismo de recolocação, o que o primeiro-ministro grego denominou de “provocatório”. Tusk, por seu lado, criticou o que chamou de “ações unilaterais” de certos países, que impõem quotas de entrada de migrantes, e afirmou que a solução para a crise migratória implica controlos rigorosos nas fronteiras externas da União.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Crianças e bebés migrantes estão em risco, alerta a UNICEF

Berlusconi e a Europa: um ano após o desaparecimento de um líder que mudou a UE

PPE não pretende acordo formal com CRE, mas poderá haver cooperação