Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Japão recorda o grande terramoto de 2011

Japão recorda o grande terramoto de 2011
Tamanho do texto Aa Aa

O Japão recorda hoje os perto de 20.000 mortos e desaparecidos, em 2011, no terramoto seguido de ‘tsunami’, que arrasou vastas áreas costeiras do país e provocou, em Fukushima, o pior desastre nuclear desde Chernobyl.

Mais de 127.000 edifícios ruíram, outros 273.000 foram parcialmente destruídos. 230.000 pessoas ficaram sem teto.

Em Tóquio, o Imperador Akihito, o primeiro-ministro Shinzo Abe e outros dignitários do Estado respeitaram um minuto de silêncio que se estendeu aos perto de 130 milhões de habitantes espalhados pelo arquipélago. Exatamente cinco anos depois do sismo de magnitude 9 na escala de Richter, o Império do Meio mergulhou no silêncio às 14:46, faltavam 14 minutos para as seis da manhã em Portugal continental.

O Grande Terramoto do Leste do Japão, com epicentro ao largo de Tohoku, foi um dos cinco mais potentes desde que há registos. Sismo, réplicas e o gigantesco maremoto, que cruzou o Oceano Pacífico, fizeram ruir mais de 127.000 edifícios. Outros 273.000 foram parcialmente destruídos. 230.000 pessoas ficaram sem teto.

As cicatrizes da catástrofe ainda são hoje bem visíveis.

A tragédia desse fatídico dia 11 de março foi exponenciada pelos estragos que provocaram uma enorme fuga de radiação na central nuclear de Fukushima Daiichi.

As localidades circundantes foram evacuadas e seladas resultando em 160.000 deslocados. Cerca de 16 mil continuam hoje a viver em habitações temporárias na região.

“Em Fukushima, o tempo está parado desde março de 2011”, afirma um sobrevivente da tragédia num trabalho publicado pelo jornal The Guardian:

O Banco Mundial estimou o custo da reconstrução em 280.000 milhões de euros tornando-o no desastre natural mais caro da História.