A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Putin manda retirar tropas russas da Síria com acordo de Assad

Putin manda retirar tropas russas da Síria com acordo de Assad
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Vladimir Putin ordenou o início da retirada das tropas russas em operações militares na Síria. O Presidente russo entende que a missão antiterrorismo iniciada há pouco mais de 5 meses está praticamente concluída embora pelo menos o “Daesh”, o grupo terrorista autoproclamado Estado Islâmico, continue ativo em território sírio.

A decisão de Putin terá tido a concordância do presidente da Síria, Bashar al-Assad, após conversa telefónica entre ambos esta segunda-feira. A Rússia apenas irá manter um centro de apoio aéreo na Síria para supervisionar o cumprimento do frágil cessar-fogo em curso entre as forças leais ao regime e as dos grupos de oposição a Bashar al-Assad.

“A tarefa que tinha sido solicitada ao nosso Ministério da Defesa e às nossas forças armadas foi globalmente conseguida e assim ordenei ao ministério para iniciar a partir desta terça-feira a retirada da maior parte dos nossos contingentes militares na República Árabe da Síria”, afirmou Putin, durante uma reunião com o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, e o ministro dos Negócios Estrangeiros, Sergei Lavrov.

De acordo com o comunicado emitido pela Presidência da Rússia, Bashar al-Assad mostrou-se disponível para ajudar a organizar uma base política no país assim que possível. “Os dois presidentes expressaram a esperança de que as conversações mediadas pela ONU em Genebra entre a delegação do governo sírio e os representantes da oposição produzam resultados concretos”, lê-se no comunicado.

A intervenção começou a trinta de setembro do ano passado, a pedido de Bashar al-Assad e no âmbito de uma alegada luta contra o terrorismo na Síria. Mas a missão tem sido controversa. Há suspeitas de ataques russos contra grupos não terroristas da oposição ao regime Assad.

A agência estatal síria, SANA, noticiou entretanto a afirmação do ministro sírio da Informação, Omran al-Zoubi, de que “os amigos na Rússia estão totalmente comprometidos com o combate ao terrorismo” e que “o exército sírio está comprometido com ofim das hostilidades.”

“À luz dos avanços conseguidos pelo exército sírio em muitas regiões e a cessação das hostilidades assim como com o início de reconciliações locais em várias áreas, e por razões relacionadas com outras posições da liderança militar russa no terreno, a decisão (de retirada das troipas russas) foi tomada em coordenação e de acordo entre os líderes sírio e russo. Nem mais nem menos”, afirmou Al-Zoubi à televisão síria, citado pela SANA