EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Ministério Público belga acusa dois novos suspeitos por ligações aos atentados de Bruxelas

Ministério Público belga acusa dois novos suspeitos por ligações aos atentados de Bruxelas
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Ministério Público belga acusou dois novos suspeitos por ligações aos atentados de Bruxelas. De acordo com o comunicado da Procuradoria federal, os

PUBLICIDADE

O Ministério Público belga acusou dois novos suspeitos por ligações aos atentados de Bruxelas. De acordo com o comunicado da Procuradoria federal, os homens estão identificados como Smail F., nascido em 1984, e Ibrahim F., nascido em 1988, e “estão acusados de atividades de grupos terroristas, assassinato terrorista e tentativa de assassinato terrorista como autores, co-autores ou cúmplices”.

De acordo com os meios de comunicação social belgas, os indivíduos estarão ligados ao arrendamento do apartamento da rue des Casernes, em Etterbeek, em Bruxelas, de onde terá saído a bomba que explodiu no metro de Maelbeek.

#attentatsbruxelles Deux nouveaux inculpés en lien avec la planque d’Etterbeek https://t.co/zcgN1mGlkUpic.twitter.com/djimWVwBbI

— Le Soir (@lesoir) 12 de abril de 2016

Recorde-se que na sexta-feira foi detido aquele que se acredita ser o segundo participante no ataque no metro, Osama Krayem. Este indivíduo terá acompanhado o “kamikaze” Khalid El Bakraoui até à estação. No sábado as autoridades descobriram então um apartamento em Etterbeek, que terá servido de abrigo aos terroristas.

Os atentados no metro e no aeroporto de Bruxelas a 22 de Março fizeram no total 35 mortos, incluindo os três suspeitos dos ataques.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Responsáveis dos atentados de Bruxelas condenados a pesadas penas

Polícias francesa e espanhola simulam ataque terrorista em preparação para os Jogos Olímpicos

Caça ao homem em França depois de emboscada a carrinha celular que matou dois guardas prisionais