EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Equador continua à procura de sobreviventes do violento terramoto

Equador continua à procura de sobreviventes do violento terramoto
Direitos de autor 
De  Marco Lemos com EFE, reuters, afp
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

No Equador, é uma corrida contra o tempo, para encontrar mais sobreviventes do violento sismo de sábado. Já estão contabilizados perto de 500 mortos

PUBLICIDADE

É uma corrida contra o tempo, no Equador, para encontrar mais sobreviventes do violento sismo de sábado neste país da América do Sul.

Ao final da tarde desta terça-feira, o balanço provisório da catástrofe dava conta de pelo menos 480 mortos, mais de 230 desaparecidos e cerca de 4000 feridos.

Cada novo resgate de um sobrevivente é sentido como um milagre.

O terramoto, de magnitude 7.8 na escala de Richter, foi o mais destrutivo das últimas décadas no país. O presidente do Equador declarou que o sismo terá infligido perdas entre 2.000 milhões e 3.000 milhões de dólares à indústria petrolífera, o principal sustento da frágil economia equatoriana, que deverá perder 2 a 3% de crescimento por causa da catástrofe, referiu Rafael Correa. As previsões já apontavam para um crescimento nulo, este ano. Agora, o país deverá entrar em recessão.

“Não nos podemos iludir, vai ser uma longa luta (…) a reconstrução vai demorar anos e custar milhões”, assumiu o chefe de Estado.

Segundo as autoridades de Quito, o terramoto destruiu ou provocou estragos em cerca de 1500 edifícios e desalojou mais de 20 mil pessoas.

10.000 militares e 6.000 polícias foram destacados para os locais mais afetados e os serviços de socorro contam com o apoio de mais de 400 especialistas, que vieram de vários pontos da América Latina, mas também da Suíça e de Espanha.

Uma residente de Manta resume a situação:

É o caos. Não podemos dormir dentro de cassa porque temos medo do que possa acontecer. Temos medos pelas crianças. Estamos assustados”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ciclone Remal faz mais de 30 mortos no Bangladesh e na Índia

Arménia: pelo menos 4 mortos em inundações

ONU teme novo deslizamento de terras na Papua Nova Guiné