Última hora
This content is not available in your region

Muçulmanos iranianos não participam no Hajj este ano

Muçulmanos iranianos não participam no Hajj este ano
Tamanho do texto Aa Aa

Este ano os iranianos encontram-se impedidos de participar na peregrinação anual a Meca em setembro.

Na origem dos problemas entre Teerão e Riade estariam acusações mútuas relativas a questões organizacionais.

Não há vistos

Os rivais regionais cortaram laços diplomáticos em janeiro na sequência de ataques no Irão contra a missão diplomática saudita após a execução de um importante clérigo xiita na Arábia Saudita, um reino de maioria sunita.

Desde o corte de relações que a embaixada suíça em Teerão funciona como representante dos “interesses da Arábia Saudita no Irão”. Desde há muito tempo que as autoridades iranianas propõem esta solução para a emissão de vistos para cidadãos iranianos, uma solução que contudo não é aceite pelas autoridades sauditas que propõem um terceiro país para a emissão de vistos. Teerão contudo não aceita esta solução.

O ministro iraniano responsável pela Cultura e Orientação Islâmica afirmou na quinta-feira que “os sauditas não aceitaram as nossas propostas relativas à segurança, transporte e emissão de vistos para peregrinos iranianos”.

Tragédia passada

No ano passado, o Haj foi marcado pela morte de mais de 2 mil peregrinos. Destes, 464 eram iranianos, esmagados durante a peregrinação à cidade mais sagrada do mundo muçulmano.

Em Teerão, os políticos afirmaram que Riade era incapaz de gerir o evento, uma posição que afastou ainda mais as duas potências regionais.

Reação saudita

O ministério saudita responsável pela peregrinação afirma que Teerão recusa-se a assinar um acordo que estabelece as regras para a participação deste ano, segundo um comunicado de imprensa divulgado pelo site estatal de notícias Sabq.

O comunicado afirma que o Irão exigia a emissão de vistos em território iraniano assim como uma distribuição equitativa de peregrinos entre companhias aéreas sauditas e iranianas.

As exigências iranianas foram consideradas inaceitáveis pelo ministro saudita responsável pelo Haj, Mohammed Bintin.

Hostilidade política

A monarquia sunita e conservadora da Arábia Saudita considera os xiitas do Irão como a maior ameaça à estabilidade no Médio Oriente, em particular devido ao apoio de Teerão às milícias xiitas que segundo os sauditas, teriam feito aumentar a violência sectária.

Os dois países estão envolvidos em duas crises no Médio Oriente, na Síria e no Iémen. Posições divergentes no seio da OPEP refletiram-se igualmente no mercado petrolífero.

Ausência prévia

Não é a primeira vez que os muçulmanos iranianos se encontram impedidos de participar na peregrinação sagrada. Antes da revolução islâmica, em 1943, um peregrino iraniano foi executado pelas autoridades sauditas o que levou Teerão a suspender a participação dos seus cidadãos por um período de cinco anos.

Em 1987, após a revolução iraniana, confrontos entre peregrinos xiitas e forças de segurança sauditas durante a peregrinação do Haj causaram centenas de vítimas de ambos os lados. A peregrinação foi suspensa para os iranianos durante três anos.