Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Iémen: Milhões de iemenitas esquecidos no inferno da guerra

Iémen: Milhões de iemenitas esquecidos no inferno da guerra
Tamanho do texto Aa Aa

Para além da missão de cobertura da guerra no Iémen, a Euronews foi visitar aldeias históricas, como o Forte de Attan, construída por antigos iemenitas, conhecidos também como “montanheiros”, no Iémen.

Está localizada nos contrafortes da montanha de Attan Faj, com vista sobre Sanaa, a capital do Iémen.

As casas históricas não foram poupadas pela guerra, que se instalou no país já há mais de um ano e meio e algumas ruiram sobre as cabeças dos seus habitantes, mulheres e crianças sem defesa.
Attan Fort foi uma das primeiras aldeias a ser destruída pela guerra e testemunhou os intensos ataques aéreos das forças aliadas por, de acordo com os confederados, possuir depósitos de armamento que pertencem ao exército iemenita.

Grande parte das casas da aldeia não é mais do escombros; dezenas de crianças, mulheres e homens ficaram gravemente feridos, pelos estilhaços dos mísseis e das bombas, que os perseguiam em todas as direções.

“Era uma verdadeira chuva de bombas e mísseis a cair sobre a aldeia, fiquei ferido numa perna, num braço e na cabeça. Metade dos meus amigos e das crianças também ficaram feridos”, conta uma criança.

“As pessoas tinham vindo para esta aldeia histórica devido à pobreza em que vivem, tentavam garantir às famílias um teto seguro, mas agora arriscam-se a ter o mesmo destino e viver a fugir dos bombardeamentos, como os que viviam nas casas já destruídas, que deixaram sem abrigo outros habitantes”, relata Mohamed Shikibrahim.

Cerca de 53 famílias pobres do Iémen vivem nesta aldeia e é sabido na capital, Sanaa, que estas pessoas vivem em condições muito difíceis.
Um grande número de crianças aqui sofre de doenças derivadas da falta de condições de higiene e da falta de serviços de saúde. Não têm comida nem água potável desde que todos os depósitos de água foram destruídos. O carregamento de água para a aldeia é mais um factor de sofrimento.

Um homem queixa-se: “As pessoas aqui na aldeia sofrem muito. São vítimas desta guerra, perdidas entre os dois lados. Nenhuma organização humanitária conseguiu chegar aqui. Nem os media vêm para contar o que se passa aqui. Agora talvez o mundo possa ver o que a guerra nos fez . Esta foi a primeira aldeia a ser destruída desde que a guerra começou”.

Outro acrescenta: “Houve enormes explosões aqui perto e fomos atingidos por ataques aéreos… bombas e mísseis a cairem sobre as nossas cabeças… as nossas casas foram destruídas. Olhe para isto, veja esta destruição toda. Não temos nada e ninguém se preocupa conosco”.

As pessoas desta aldeia fazem parte dos milhões de pobres do Iémen, vítimas de uma guerra de que ninguém fala e que passaram de uma vida de pobreza a uma vida de fome. Com o colapso da economia e o embargo aéreo e marítimo, a vida destas pessoas tornou-se num verdadeiro inferno.